Mercado abrirá em 8 h 28 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,94
    +0,66 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.853,90
    +11,80 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    30.206,48
    +898,44 (+3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    675,03
    +1,66 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.327,28
    -389,96 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.925,61
    +186,58 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.981,00
    +140,25 (+1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1485
    -0,0043 (-0,08%)
     

Saúde publica decreto sobre o fim da emergência sanitária causada pela covid

·3 min de leitura

Após anúncio feito no último domingo (17), o Ministro da Saúde publicou a portaria que decreta o fim do estado da emergência de saúde pública em decorrência da pandemia da covid-19 no Brasil. A norma deve entrar em edição especial do Diário Oficial da União até o fim desta sexta-feira (22).

Apesar da medida, o fim do estado de emergência sanitária não será imediato, já que o documento prevê um período de transição de 30 dias — oficialmente, só valerá no dia 22 de maio. Neste intervalo, os governos federal, estaduais e municipais deverão se adequar a uma nova forma de lidar com os casos da covid-19 no país.

Ministério da Saúde publica decreto sobre o fim da emergência sanitária causada pela covid (Imagem: Reprodução/Abdelrahman_El-masry/Envato)
Ministério da Saúde publica decreto sobre o fim da emergência sanitária causada pela covid (Imagem: Reprodução/Abdelrahman_El-masry/Envato)

O que muda com o fim do estado de emergência?

Com o fim do estado de emergência, as medidas que foram adotadas para controlar a covid-19 perderão validade. Por exemplo, o comprovante de vacinação — também conhecido como passaporte da vacina — não deverá mais ser exigido para a entrada em locais fechados.

Teoricamente, remédios e vacinas que receberam aprovação de uso emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não poderão mais ser usados. Nesta condição, entrariam os seguintes compostos médicos:

  • Vacina CoronaVac;

  • Anticorpos monoclonais Sotrovimab;

  • Anticorpos monoclonais Evusheld;

  • Remédio Paxlovid.

Para evitar que o uso destes produtos seja suspenso no Brasil, a Saúde solicitou que o prazo de validade da licença seja estendido por mais um ano. No momento, a Anvisa analisa o pedido.

Vai ter vacina ano que vem?

Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a pasta ainda não definiu se acontecerá a vacinação contra a covid-19 em 2023. “Vamos vacinar só idosos, profissionais de saúde, gestantes, crianças? Com qual vacina? Essa que temos, outra com capacidade de combater variantes? A ciência trará essas respostas”, comenta.

Fim da telemedicina?

Outra questão que volta a ser indefinida é o atendimento médico por teleconsulta. O procedimento foi autorizado em caráter excepcional em razão da pandemia da covid-19, mas, com o fim do estado de emergência, não poderá mais ocorrer.

Para mudar o cenário, será preciso criar uma lei que regularize o atendimento médico remoto. No momento, existe o Projeto de Lei nº 1998 de 2020, mas não há previsão para que o PL seja votado na Câmara dos Deputados.

É o fim da covid?

Vale destacar que este não é o fim da covid-19 no Brasil, já que o vírus continuará a circular pelo país e óbitos ainda devem ser notificados. Nas últimas 24 horas, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) contabilizou 92 mortes em decorrência do coronavírus SARS-CoV-2 e 18,6 mil novos casos.

Inclusive, não cabe ao Ministério da Saúde definir o fim da pandemia. Na verdade, esta é uma prerrogativa exclusiva da Organização Mundial de Saúde (OMS), já que, por definição, uma pandemia tem alcance internacional. A pasta tem competência apenas para decretar o fim do estado de emergência sanitária nacional, instituído devido à covid-19, através da lei 13.979/2020.

“Mesmo que tenhamos casos de covid-19, porque o vírus vai continuar circulando, se houver necessidade de atendimento na atenção primária e leitos de UTI, temos condição de atender”, completa o ministro Queiroga.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos