Mercado fechará em 1 h 1 min
  • BOVESPA

    129.908,95
    +467,92 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.137,57
    -148,89 (-0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,92
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.866,30
    -13,30 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    39.758,70
    +2.255,13 (+6,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,43
    +23,59 (+2,44%)
     
  • S&P500

    4.238,00
    -9,44 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.259,49
    -220,11 (-0,64%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.065,00
    +70,75 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1426
    -0,0500 (-0,81%)
     

Saúde afirma que 3 milhões de doses da vacina da Janssen chegam neste mês

·2 minuto de leitura

Nesta sexta-feira (4), o Ministério da Saúde afirmou que as primeiras doses da vacina da Janssen — braço farmacêutico da Johnson & Johnson — contra o coronavírus SARS-CoV-2 devem ser entregues ainda neste mês. O primeiro lote será suficiente para 3 milhões de aplicações do imunizante de dose única.

"A vacina da Janssen, nós já tínhamos acertado 38 milhões de doses da vacina, nós conseguimos antecipar 3 milhões. Chega agora no mês de junho", afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Inicialmente, a Saúde previa que 16,9 milhões chegassem entre os meses de julho e setembro. Outras 21,1 milhões são esperadas entre outubro a dezembro deste ano.

3 milhões de doses da vacina da Janssen contra a COVID-19 devem chegar ao Brasil em junho (Imagem: Reprodução/Rwf8/Envato)
3 milhões de doses da vacina da Janssen contra a COVID-19 devem chegar ao Brasil em junho (Imagem: Reprodução/Rwf8/Envato)

De acordo com o ministro Queiroga, a estratégia de distribuição será coordenada em conjunto com os secretários estaduais. Vale lembrar que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já aprovou, em março, o uso emergencial da fórmula no Brasil.

Eficácia da Janssen contra a COVID-19

Pesquisas sobre o imunizante destacam que a eficácia global — o que envolve casos moderados e leves — é de 66%. Além disso, a taxa de proteção é estimada é de 85%, quando são considerados apenas os casos graves da COVID-19, ou seja, quando a internação é necessária. No Brasil, voluntários participaram dos estudos clínicos de Fase 3.

Para a proteção, a vacina contra o coronavírus adota uma plataforma vetor viral não replicante. Em outras palavras, os cientistas adotam um adenovírus humano (Ad26) modificado para não se replicar mais. Tal adenovírus é editado para carregar a proteína spike do coronavírus. A partir desse fragmento de material genético do coronavírus nas células, o sistema imunológico do corpo aprende a identificar e combater o agente infeccioso. Estável, a fórmula pode ser armazenada em freezers comuns, entre 2 °C e 8 °C.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: