Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    51.151,38
    +3.504,51 (+7,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Saída de Castello Branco se dá por "diferença de opiniões", diz secretário de Guedes

·1 minuto de leitura
Sede do Petrobras no Rio de Janeiro

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário Especial de Comércio Exterior, Roberto Fendt, disse nesta terça-feira que o presidente Jair Bolsonaro decidiu não reconduzir o atual CEO da Petrobras, Roberto Castello Branco, ao cargo em razão de uma "diferença de opiniões" acerca da condução da política de preços praticada pela estatal.

Fendt foi questionado sobre o tema ao participar de videoconferência promovida pelo "think tank" Center for Strategic and International Studies, para a qual foi escalado para representar o ministro Paulo Guedes, que cancelou participação em cima da hora.

"Essa é uma questão muito complexa, para ser sincero", disse Fendt.

"Havia uma diferença de opiniões sobre como a política (de preços) deve ser aplicada", acrescentou, ao detalhar que a estatal vinha adotando a estratégia de acompanhar a cotação dos preços no mercado internacional e que apenas este ano o diesel teve alta de 27%, que ele classificou como "um aumento considerável".

O secretário lembrou que o acionista majoritário da companhia é o setor público. "É uma questão de negócios sobre como a companhia deve ser administrada. É o que eu tenho a dizer", complementou Fendt em sua participação.

Na sexta-feira, Bolsonaro anunciou que o governo decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para assumir os cargos de conselheiro e presidente da Petrobras após o encerramento do mandato de Castello Branco, em 20 de março.

No início da tarde desta terça-feira, as ações preferenciais e ordinárias da Petrobras subiam, respectivamente, 9,8% e 7,8%, após a petrolífera perder 74 bilhões de reais em valor de mercado na véspera. Os agentes econômicos seguem atentos à reunião do conselho de administração da companhia, que deve votar a indicação de Silva e Luna para comandar a empresa.

(Por Gabriel Ponte)