Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.491,31
    +344,64 (+1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Saída de capital de mercado de dívida chinês atinge US$ 30 bi

(Bloomberg) -- O mercado de dívida soberana da China se tornou um foco global de saída de capital e há sinais de que o governo em Pequim se preocupa cada vez mais, com atraso na divulgação de dados e uma tentativa de gerenciar as expectativas dos investidores.

As vendas líquidas de títulos do governo chinês por fundos estrangeiros atingiram cerca de 200 bilhões de yuans (US$ 30 bilhões) no primeiro semestre, após saídas de 55,9 bilhões de yuans em junho, o quinto mês consecutivo de fluxo negativo. É uma reversão abrupta para um mercado que viu a participação global crescer a cada ano desde 2014, quando a Bloomberg começou a compilar dados com base em números oficiais.

As saídas seguem aumentos agressivos de juros do Federal Reserve que transformaram em desconto os prêmios de risco antes oferecidos pelos rendimentos dos títulos chineses sobre os títulos do Tesouro americano. O êxodo ocorre em um momento delicado para a China, antes de uma cúpula de liderança importante este ano, e coincide com uma crescente crise econômica e imobiliária.

As autoridades chinesas minimizaram as saídas, insistindo que o país ainda é um destino importante para investimentos em títulos internacionais.

“Flutuações nos fluxos de títulos são muito comuns nos mercados desenvolvidos e emergentes, enquanto a volatilidade vista na China é relativamente baixa”, disse Chunying Wang, porta-voz da Administração Estatal de Câmbio, em coletiva na sexta-feira. Fundos que rastreiam índices e alocações globais de bancos centrais estão ajudando a estabilizar a situação, especialmente porque estes últimos representam mais da metade do total da dívida chinesa detida por investidores estrangeiros, disse ela.

A publicação dos números para títulos de junho pela câmara de compensação e liquidação chinesa ocorreu cerca de uma semana depois do que nos meses anteriores. Os números do mercado de títulos interbancários divulgados pela sede do banco central em Xangai na sexta-feira também foram adiados, pois normalmente são enviados na primeira metade de cada mês. Em maio, a plataforma de negociação de títulos da China para investidores estrangeiros silenciosamente parou de fornecer dados sobre suas transações.

Os investidores estrangeiros ainda detinham 2,32 trilhões de yuans de dívida chinesa no final de junho, bem acima dos 221 bilhões de yuans que possuíam em 2014. A abertura dos mercados de capitais da China e a inclusão da dívida do país em mais índices globais de títulos atraiu bancos centrais e investidores globais ansiosos para aproveitar seus rendimentos mais altos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos