Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.418,58
    -229,41 (-0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.633,22
    -165,16 (-0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,30
    +0,02 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.764,70
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    61.429,06
    +1.805,80 (+3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.436,88
    -14,76 (-1,02%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.290,00
    +155,50 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4028
    -0,0010 (-0,02%)
     

Saída do BCE das medidas de crise será "bem gradual", diz Rehn

·1 minuto de leitura
Olli Rehn, presidente do banco central da Finlândia

HELSINQUE (Reuters) - Qualquer saída das medidas do Banco Central Europeu para combate à crise será "bem gradual" e vai garantir que condições de financiamento favoráveis sejam mantidas, afirmou nesta quinta-feira o presidente do banco central da Finlândia, Olli Rehn.

O BCE vai debater em dezembro quando e como reduzir seu Programa de Compras de Emergência da Pandemia de 1,85 trilhão de euros e se precisará elevar outras medidas de estímulo.

"Estou confiante de que poderemos encontrar uma maneira viável e significativa de garantir condições de financiamento favoráveis quando iniciarmos nossa transição bem gradual das medidas de crise para o próximo normal", disse Rehn, que faz parte do Conselho que define os juros no BCE, em entrevista à imprensa.

(Reportagem de Essi Lehto)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos