Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.549,29
    -71,87 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Síndrome do pensamento acelerado, diagnóstico de Dani Russo, não existe, dizem médicos

SALVADOR, BA (FOLHAPRESS) - A chamada síndrome do pensamento acelerado ganhou as redes sociais após a cantora e youtuber Dani Russo, 24, contar em seu Instagram que recebeu este diagnóstico. A síndrome, porém, não existe. Embora seja popularmente conhecida, não é reconhecida pela ciência, nem aparece na CID (Classificação Internacional de Doenças) e, segundo especialistas, pode ser apenas a expressão de alguns transtornos, como o de ansiedade generalizada e o bipolar.

"Minha ansiedade dói na mente, dói no meu corpo, não me deixa respirar", afirmou Russo em postagem nas redes sociais.

De acordo com o psiquiatra Elie Cheniaux, professor de psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e docente do programa de pós-graduação em Psiquiatria e Saúde Mental da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a menção à síndrome só aparece nas obras de Augusto Cury, psiquiatra e escritor brasileiro conhecido por livros como "O vendedor de sonhos".

Na obra "Ansiedade - Como enfrentar o mal do século", com subtítulo "A Síndrome do Pensamento Acelerado: como e por que a humanidade adoeceu coletivamente, das crianças aos adultos", em que apresenta a suposta doença, Cury cita que ela seria produzida pelo "desgaste cerebral intenso" decorrente da aceleração do pensamento.

Alguns dos sintomas seriam mente inquieta ou agitada, insatisfação e sofrimento por antecipação. As causas decorreriam do excesso de informação, trabalho intelectual e uso de celulares e computadores, por exemplo.

"O pensamento acelerado é um sintoma inespecífico, acontece em vários transtornos mentais", afirma Cheniaux. Segundo ele, a vivência pode ser mais comumente associada à ansiedade, que nem sempre é patológica.

"Na ansiedade, pode haver essa sensação de que os pensamentos estão mais rápidos, mas não vai haver só essa vivência. São muitas as manifestações, como tremores, falta de ar, taquicardia e tensão muscular", diz o médico.

Cheniaux explica que sentir ansiedade é natural e pode ser benéfico. "A ansiedade mobiliza o indivíduo a enfrentar dificuldades ou fugir delas quando não há solução."

Nos casos, entretanto, em que o sintoma não é justificável e gera prejuízos no dia a dia, a pessoa precisa procurar um especialista para fazer o diagnóstico correto. Segundo o psiquiatra, o tratamento varia de acordo com o tipo de transtorno identificado.

Katia Mecler, psiquiatra e professora do programa de pós-graduação em Psiquiatria Forense da UFRJ, reforça que a síndrome de pensamento acelerado não é classificada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) como uma doença.

"No transtorno bipolar, na fase da mania, que é uma fase de euforia e de aceleração, pode haver o pensamento acelerado. Ele pode ser um sintoma de outros transtornos, mas por si só não é considerado uma doença", afirma.

A médica recomenda o cultivo de hábitos saudáveis para a proteção contra a ansiedade, como fazer exercícios físicos. Segundo ela, também é importante criar oportunidades diárias para relaxar. Algumas atividades que podem ajudar são a leitura, a meditação, o contato com a natureza ou outras iniciativas que garantam momentos de descontração.

"É um ato de resistência criar minutos por dia para entrar em contato com aquilo que faz o sistema de alguém não ficar em tensão o tempo inteiro", diz.

Mecler também recomenda que as pessoas busquem ter mais consciência das próprias emoções. "Acho que grande parte dessas doenças psíquicas vêm da necessidade contínua de viver o tempo inteiro na demanda do mundo externo", aponta. "Quanto mais uma pessoa sabe o que está sentindo, mais ela encontra recursos para, inclusive, procurar ajuda na hora certa."