Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.245,66
    -5.110,03 (-8,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Séries e filmes originais da Netflix podem estar à caminho da TV a cabo

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

Depois de se tornar uma das principais plataformas de streaming do mundo e levar muitos canais de televisão a se reinventarem para se manterem relevantes, a Netflix parece estar seguindo, agora, o caminho inverso. De acordo com informações ainda não confirmadas, a empresa estaria negociando o licenciamento de seus filmes e séries originais para duas emissoras de TV dos Estados Unidos.

A Viacom CBS e a NBC Universal estariam conversando com a Netflix para exibirem filmes e, principalmente, séries, em formato linear, com episódios semanais e por tempo limitado. Os filmes também seguiriam um sistema mais tradicional, com originais sendo liberados às emissoras para exibição pública, também, apenas na televisão e sem presença em serviços de streaming pertencentes a elas.

A medida seria voltada a conteúdos mais antigos, lançados há alguns anos, mas que ainda podem não ter atingido um público mais amplo e, principalmente, aqueles sem acesso a opções de conteúdo por streaming. Além disso, o licenciamento para os canais de televisão seria uma forma de garantir mais lucros à empresa com materiais que permanecem disponíveis aos assinantes, mas cujas produções já foram encerradas ou não atraem mais tantos usuários novos assim.

Também não é como se essa fosse uma grande novidade. Nos EUA, por exemplo, a Netflix já trabalhou ao lado do canal Comedy Central para exibir a série Bojack Horseman; aqui mesmo, no Brasil, o SBT já exibiu o primeiro episódio de Stranger Things como uma atração especial, em 2017, bem como comerciais de outros shows originais do streaming, enquanto mantém acordos de licenciamento com a plataforma envolvendo novelas como Chiquititas e Carrossel.

Os contratos desse tipo, porém, caem ano após ano, enquanto a Netflix investe cada vez mais em conteúdo original — em 2020, por exemplo, foram cerca de US$ 17 bilhões gastos e a ideia é que, em 2021, pelo menos um novo conteúdo exclusivo estreie por semana na plataforma. O trabalho ao lado de emissoras para exibir reprises destes originais serve, claro, como uma forma de recuperar parte desse montante, além de, como dito, atrair públicos que não têm acesso ou interesse em se tornarem assinantes recorrentes.

A Netflix não se pronunciou oficialmente sobre o assunto. Com exceção da iniciativa americana, também, não existem informações sobre novos acordos desse tipo em outros países.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: