Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,91
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.864,30
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    40.194,63
    +1.178,18 (+3,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.005,60
    +36,76 (+3,79%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.509,43
    -332,70 (-1,15%)
     
  • NIKKEI

    29.375,94
    +214,14 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    14.144,25
    +19,50 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1470
    +0,0155 (+0,25%)
     

Série sobre o criador de 007 transita entre o real e o efeito dramático

·3 minuto de leitura

(FOLHAPRESS) - Lançada lá fora em 2014, chega agora ao Brasil pela Starzplay a minissérie que conta a história de Ian Fleming, o homem que se tornaria o escritor das novelas de James Bond, o agente secreto 007, com licença para matar.

Nos créditos iniciais de cada um dos quatro capítulos, vemos a seguinte frase de Fleming --"Tudo o que escrevo tem um precedente na verdade." Já no final do último capítulo, vem aquela frase a que estamos acostumados. "Baseado em uma história verdadeira. Alguns nomes, lugares e eventos são fictícios e foram mudados para efeito dramático."

É entre essas duas afirmações que transita "Fleming: The Man Who Would Be Bond", ou o homem que seria Bond, em inglês. Será que o que estamos assistindo é um efeito dramático? Ou é real? Seja como for, o título dá a tônica, que é aproximar o máximo possível a vida de Ian Fleming à do agente secreto ficcional.

Começando pelas mulheres. James Bond, como se sabe, é um dos maiores mulherengos do cinema, apesar de o número de mulheres com quem ele se envolve estar diminuindo com o passar das décadas.

Pois Ian Fleming, vivido por Dominic Cooper, é o cara mais bonito de Londres e leva para cama três garotas só no primeiro episódio, quiçá quatro --a última não fica claro.

Atenção, spoilers a partir de agora. O amor de sua vida, a respeito de quem ele terá embates mentais sobre se casar ou não, é Ann Charteris, interpretada por Lara Pulver, uma mulher real. A história desse amor perpassa toda a minissérie, mas Bond, ou melhor, Fleming, não se furta a flertar e transar com outras.

O âmago das aventuras de Bond também está ali. Fleming foi recrutado em 1938 pelo esforço de guerra britânico e trabalhou em projetos secretos e de espionagem até o final da Segunda Guerra. E ele efetivamente foi responsável por sugerir ações, como aquela do cadáver com documentos falsos retratada na série, e criar e comandar unidades de espiões, caso da 30 Assault Unit.

Mas aqui vemos Ian Fleming sendo treinado para invadir casas e matar oponentes e para desligar bombas no último segundo. Quanto há de efeito dramático aí?

E quanto ao momento em que Ian Fleming salva judeus na França ocupada? Ou quando vai de jipe até o front da guerra, invade a Alemanha e recupera documentos a respeito do programa nuclear nazista? No caminho, ainda mata um punhado de soldados inimigos. Efeito dramático.

Há uma camada mais complexa: apesar de ser apresentado como o herói da série, o personagem de Fleming também se mostra irresponsável, playboy, filhinho de mamãe, mentiroso e canalha. É um dos pontos positivos, pois não oferece de bandeja ao telespectador aquilo a que ele já está acostumadíssimo.

Em resumo, seria preciso ler uma extensa biografia de Ian Fleming para saber o tamanho do exagero exibido em "The Man Who Would Be Bond". Ou apenas relaxar e curtir um programinha de ficção.

*

FLEMING: THE MAN WHO WOULD BE BOND

Onde: No Starzplay

Elenco: Dominic Cooper, Lara Pulver, Samuel West

Direção: Mat Whitecross

Avaliação: Bom