Mercado abrirá em 3 h 7 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,93
    +0,32 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.794,20
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.611,59
    +304,46 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    828,10
    +8,60 (+1,05%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.506,62
    -47,69 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.053,00
    +66,25 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0458
    +0,0218 (+0,36%)
     

São Paulo deve seguir com poucas chuvas em dezembro

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 26.11.2021 - Vista de poças d'água em decorrência de chuva que atinge a avenida Paulista, na região central de São Paulo. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 26.11.2021 - Vista de poças d'água em decorrência de chuva que atinge a avenida Paulista, na região central de São Paulo. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após um novembro em que as chuvas ficaram 32,5% abaixo da média histórica para o mês, a cidade de São Paulo não deve ter refresco em dezembro.

De acordo com o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas) da prefeitura, é alta a probablidade das chuvas também ficarem abaixo da média para o último mês do ano, de 186,4 mm.

"A tendência é de um dezembro com precipitações abaixo da média. A presença do fenômeno global La Niña, que resfria a superfície do oceano Pacífico na região equatorial juntamente com o oceano Atlântico com temperatura dentro a abaixo da média na altura do litoral da região Sul e do litoral paulista, vai continuar provocando a irregularidade das chuvas", explica Thomaz Garcia, meteorologista do CGE.

Ainda de acordo com o especialista, as "chuvas irregulares e mal distribuídas em meses que climatologicamente chove bastante, como é o caso de dezembro, é ruim, principalmente para os reservatórios", acrescenta.

Os períodos mais secos observados para o mês de dezembro foram em 2013 (97,2 mm), 1999 e 2003 (ambos com 117,2 mm). Já os mais chuvosos aconteceram em 2012 (305,1 mm), 1996 (278 mm) e 2009 (260,4 mm). Os dados são compilados pelo órgão municipal desde 1995.

Novembro já ficou marcado pelas poucas chuvas. O boletim meteorológico mostrou que o mês terminou com 92,1 mm de chuva, valor inferior a média esperada para o período, de 136,5 mm.

"A combinação de ar mais seco e rápida passagem de frentes frias pelo leste paulista resultou em precipitações mal distribuídas e consequentemente abaixo da média na Grande São Paulo", conta Garcia.

Este foi o sexto novembro menos chuvoso da série histórica, atrás apenas de 1998 (33,4 mm), 1999 (67,2 mm), 2005 (78 mm), 1996 (82,1 mm) e 2003 (84,4 mm). O recorde para o mês é de 2015, quando o índice alcançou 249,5 mm de precipitação.

Em outubro, o risco de desabastecimento de água no estado já se mostrava agravado pela crise climática com tendência de seca extrema devido às chuvas abaixo da média que vêm sendo registradas desde o último verão. A previsão dada, segundo especialistas, é de que o problema irá se prolongar até a estação chuvosa de 2022.

Um dos reservatórios mais prejudicados na região metropolitana de São Paulo é o sistema Cantareira, atualmente operando com 26% de seu volume, o único abaixo dos 30%.

Segundo projeção mais recente do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), o Cantareira pode chegar a abril de 2022, início do próximo período de seca, com 17% de sua capacidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos