Mercado abrirá em 7 h 49 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,13
    -0,37 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.765,70
    -5,50 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    22.810,07
    -607,88 (-2,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    542,33
    -15,40 (-2,76%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.852,92
    +89,01 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.938,55
    -3,59 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.493,75
    -29,50 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Rust: entenda por que a linguagem da Mozilla é a queridinha da Meta

A Meta, controladora do Facebook, Instagram e WhatsApp, está incentivando seu time de engenharia de software a usar as linguagens de programação C++ e Rust para codificação dos serviços de back-end de alto desempenho. Rust é uma linguagem desenvolvida para pela Mozilla e, na Meta, será usada do lado do servidor, e, segundo a Meta, a decisão por seu endosso foi “muito cuidadosa e deliberada”.

De acordo com a controladora, a decisão deve ajudar os engenheiros a terem uma maior gama de opções para trabalharem em seus projetos. Além da Rust, as principais linguagens de programação usadas do lado do servidor na Meta são Hack, C++ e Python.

Serviços de back-end são bastante sensíveis ao desempenho, por isso, a empresa incentiva o uso de linguagens seguras, concorrentes e práticas, como é o caso da C++ e também da Rust. No caso da codificação da Mozilla, há um rápido crescimento de uso nos produtos da Meta, e a empresa vê com bons olhos a quantidade crescente de engenheiros que estão aderindo a ela.

Python não foi esquecida

Porém, apesar de ver com bons olhos a adesão à Rust, a Meta não deixou seus desenvolvedores Python sem suporte. Em projetos que envolvam ciência de dados, machine learning e do Instagram, o Python segue sendo a linguagem de escolha e continua recebendo investimento pesado da Meta na experiência com esse ecossistema.

A Mozilla criou a Rust para garantir um alto desempenho semelhante ao que é oferecido por C ou C++, mas com ênfase na segurança dos códigos, o ponto fraco dessas duas linguagens tradicionais. Mas suas vantagens vão além da segurança, com alto desempenho durante o processamento de dados, suporte à programação concorrente e um compilador eficaz.

Por conta disso, além da Meta, gigantes dos softwares como Firefox, Dropbox e Cloudflare utilizam a linguagem da Mozilla em suas programações. E, com o advento da internet das coisas, os sistemas embarcados em máquinas e eletrodomésticos precisam de uma linguagem moderna e com um overhead bastante baixo, como é o caso da Rust.

Por que a Rust se popularizou?

A Rust é uma linguagem bastante eficiente em recursos sob demanda em sistemas embarcados, o que permite que os programadores possam identificar bugs de maneira antecipada, evitando contratempos com o software. Mas o principal ponto positivo da linguagem é seu poder de abstrações de custo zero.

Isso significa que independente da abstração de código utilizada, o Rust consegue te entender, ou seja, você pode usar loops, closures ou qualquer tipo de código, que todos eles serão compilados, e sem afetar o desempenho do código.

A linguagem também permite o armazenamento de dados on the stack ou on the heap e detecta o momento em que a memória não é mais necessária, liberando-a no momento da compilação. Isso permite maior eficiência e velocidade no acesso à memória. Em um momento em que provedores cobram caro por armazenamento em nuvem, esse recurso pode ser bastante útil.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos