Mercado abrirá em 1 h 48 min

Russos estão pagando R$ 144 mil em jatos particulares para fugir do país

Russos estão tentando fugir do país após anúncio da mobilização parcial pelo presidente Vladimir Putin (Gavriil Grigorov, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP)
Russos estão tentando fugir do país após anúncio da mobilização parcial pelo presidente Vladimir Putin (Gavriil Grigorov, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP)
  • Russos estão fugindo para países que ainda os aceitam sem visto, como a Turquia ou a Armênia;

  • Busca por jatos particulares cresceu 50 vezes, afirmou empresário;

  • "A situação é absolutamente louca no momento", disse diretor de uma corretora de voos fretados.

Cidadãos russos estão pagando até US$ 27 mil, ou R$ 144 mil, em jatos particulares para escapar do país depois do presidente russo, Vladimir Putin, anunciar uma mobilização parcial dos reservistas do país na semana passada para lutar na guerra da Ucrânia.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, as empresas russas que oferecem voos em jatos particulares estão relatando um aumento elevado nos pedidos de voos só de ida para o exterior, o que também elevou o preço da tarifa, que varia entre US$ 21.500 e US$ 27.000 por um assento em um avião particular, ou R$ 115 mil e R$ 144 mil.

Esses cidadãos estão indo em direção a países que ainda permitem a entrada deles sem um visto, como a Turquia, Armênia e Azerbaijão. Estes dois últimos atualmente também se encontram em um conflito armado.

Em contraposição, muitos países europeus afirmaram que não irão permitir a entrada de russos fugindo dos esforços de mobilização do governo, tendo inclusive negado a entrada de turistas russos.

Diretor da corretora de jatos Your Charter, Yevgeny Bikov, afirmou à publicação inglesa que costumava receber cerca de 50 pedidos de voos por dia, mas agora esse número aumentou para 5 mil. "A situação é absolutamente louca no momento".

Já Eduard Simonov, CEO da FlightWay, afirmou ao The Guardian que a demanda por jatos particulares "aumentou 50 vezes", e acrescentou que está lutando para atender às demandas depois das sanções da União Europeia, que limitou a disponibilidade de jatos no país.

"Todas as empresas europeias de jatos particulares deixaram o mercado. Há mais demanda do que oferta agora e os preços estão em alta em comparação com seis meses atrás", disse Simonov.

Simonov também disse que não são apenas os ricos que estão procurando alugar jatos particulares, mas que estão obtendo uma "base de clientes completamente nova... pessoas que nunca voaram em aviões particulares antes".

"Há muitos que ainda têm algum dinheiro extra e querem fugir", acrescentou Simonov.