Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.073,55
    -1.356,99 (-1,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.018,91
    +454,64 (+0,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,70
    -2,17 (-2,75%)
     
  • OURO

    1.950,70
    +21,20 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    23.744,03
    +824,98 (+3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,70
    +296,03 (+121,98%)
     
  • S&P500

    4.119,21
    +42,61 (+1,05%)
     
  • DOW JONES

    34.092,96
    +6,92 (+0,02%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.505,25
    +353,25 (+2,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5544
    +0,0388 (+0,70%)
     

Rússia perde 35 bilionários por causa da guerra na Ucrânia

Desvalorização do rublo, moeda oficial da Rússia, é um dos motivos para a diminuição na fortuna dos oligarcas (Maxim Shemetov/Reuters)
Desvalorização do rublo, moeda oficial da Rússia, é um dos motivos para a diminuição na fortuna dos oligarcas (Maxim Shemetov/Reuters)
  • Magnatas russos perderam 27% de sua riqueza entre 2021 e 2022;

  • Bilionários são alvos de sanções impostas pelo ocidente e sofrem com a queda do rublo;

  • 83 bilionários russos restantes valem 'apenas' U$ 320 bilhões no total.

A guerra com a Ucrânia não tem deixado os bilionários russos muito felizes, já que os donos das maiores fortunas do mundo estão sentindo o impacto das sanções ocidentais à Rússia. Segundo a publicação norte-americana Forbes, o país perdeu 35 bilionários entre 2021 e 2022.

E mesmo quem não deixou de ser um bilionário também viu sua fortuna encolher. Na média, segundo a Forbes, os magnatas russos perderam 27% de sua riqueza entre 2021 e 2022. Entre os motivos estão as sanções em represália à guerra na Ucrânia e a desvalorização do rublo.

Entre bilionários russos que tiveram as maiores perdas estão: Leonid Mikhelson (-$ 10,9 bilhões), Alexey Mordashov (-$ 15,9 bilhões), Gennady Timchenko (-$ 10,7 bilhões), Vagit Alekperov (-$ 14,4 bilhões), Suleiman Kerimov (-US$ 11,4 bilhões) e Tatyana Bakalchuk (-US$ 10,9 bilhões).

Os 83 bilionários russos restantes valem 'apenas' U$ 320 bilhões no total, menos U$ 263 bilhões do que ano passado. Na média, os magnatas russos perderam 27% de sua riqueza entre 2021 e 2022.

Ao todo, a Forbes listou 2.668 bilionários, um total menor do que no ano passado: 329 pessoas tiveram um “downgrade”, o maior número de quedas desde 2009. A fortuna somada dos bilionários também encolheu para US$ 12,7 trilhões, contra US$ 13,1 trilhões em 2021.

Isolamento russo

Desde que a Rússia começou o conflito com a Ucrânia, o país tem sido alvo de uma série de duras sanções econômicas cujos efeitos já são sentidos em diversos setores da economia.

Uma das restrições de maior impacto na economia russa é a remoção de diversos bancos do sistema Swift, uma plataforma financeira e de comércio internacional que realiza pagamentos interbancários em todo o mundo.

Estados Unidos, União Europeia e Reino Unidos proibiram membros da elite russa de acessar ativos ou realizar transações financeiras - o que, na prática, congela dinheiro e bens pessoais, impedindo, entre outras coisas, que títulos de dívida e imóveis sejam vendidos.

Além das sanções, a Rússia também enfrenta uma debandada de multinacionais após a invasão da Ucrânia. Empresas como a Apple, Disney e Ford já anunciaram que estão diminuindo ou suspendendo as operações no país.