Mercado fechado

Rússia corre o risco de ficar sem Google e Youtube

·2 min de leitura
BERLIN, GERMANY - MARCH 10: In this photo illustration the logo of YouTube can be seen on a smartphone on March 10, 2022 in Berlin, Germany. (Photo Illustration by Thomas Trutschel/Photothek via Getty Images)
Plataforma de vídeos é de propriedade do Google

(Thomas Trutschel/Photothek via Getty Images)

  • Google e Youtube podem sair da Rússia;

  • Empresas podem se retirar ou serem proibidas no país por conta de tensões com o governo;

  • Bloqueio a conteúdos contribui com situação.

Apesar do Google ter encerrado as publicidades na Rússia, há a chance do país perder totalmente os serviços oferecidos pela gigante de buscas, especialmente no que diz respeito ao Youtube, de quem é dona.

A plataforma de vídeos tem enfrentado uma série de tensões com o governo, sendo a mais recente provocada pelo banimento de um canal do Ministério da Defesa da Rússia, conforme aponta documento interno revisado pela Bloomberg.

Na semana passada, a empresa também impediu que os militares russos publicassem vídeos por sete dias depois que o Ministério apontou a invasão da Ucrânia como uma “missão de libertação”. Os vídeos com os dizeres foram removidos.

“Nossas políticas proíbem conteúdo que negue, minimize ou banalize eventos violentos bem documentados, incluindo a invasão da Rússia na Ucrânia”, disse em um e-mail.

Russos ficarão sem o site de buscas?

Ainda não há indícios concretos de que as empresas deixarão, de fato, a Rússia. O Google é o mecanismo de busca mais utilizado do país – superando o provedor local Yandex NV – e o Youtube é bastante popular entre os cidadãos.

No entanto, pessoas que estão próximas a quem toma decisões no Google – e que não quiseram ser identificadas – revelaram que a gigante está transferindo, discretamente, sua equipe do país, ainda que não tenha fechado seu escritório por lá.

Somado ao fato de que as empresas podem se unir à onda de boicotes que atingiu a população russa, tem a censura do governo de Vladimir Putin. Desde o começo do conflito, o presidente está atento ao que sai na imprensa e chegou a banir redes sociais como Facebook e Instagram. O país também reduziu a atuação do Twitter.

Na última sexta-feira (18), a Rússia ordenou que o Google pare de difundir o que definiu como "ameaças contra os cidadãos russos" na plataforma de vídeos do YouTube. O Roskomnadzor, órgão regulador russo, afirmou que os anúncios espalhados ameaçam a vida e a saúde da população russa, e que a postura da empresa ao divulgar esse tipo de conteúdo representa uma posição antirrussa.