Mercado abrirá em 6 h 44 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,96
    -0,78 (-0,99%)
     
  • OURO

    1.646,80
    -8,80 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    18.757,30
    -246,22 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,73
    -14,81 (-3,33%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.841,52
    -91,75 (-0,51%)
     
  • NIKKEI

    26.451,93
    -701,90 (-2,58%)
     
  • NASDAQ

    11.295,25
    -81,50 (-0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0819
    -0,0157 (-0,31%)
     

Rússia ameaça fazer 'retaliações' a satélites da Starlink na Ucrânia

Rússia ameaça fazer “retaliações” a satélites da Starlink na Ucrânia
Rússia ameaça fazer “retaliações” a satélites da Starlink na Ucrânia
  • A Starlink fornece conexão de internet para a Ucrânia desde que o serviço usual foi interrompido durante a guerra;

  • Um diplomata russo o disse que o “uso provocativo” da tecnologia pode ser alvo de “retaliação”;

  • O CEO, Elon Musk, afirmou que já foi ameaçado pelo diretor da agência espacial russa.

O diplomata russo, Konstantin Vorontsov, acredita que satélites da Starlink podem prestar serviços militares aos Estados Unidos. A empresa é associada à SpaceX e fornece conexão de internet para a Ucrânia desde os primeiros meses da guerra contra a Rússia. O CEO, Elon Musk, afirmou que foi ameaçado pelo diretor da agência espacial russa (Roscosmos) em maio deste ano.

Em consequência do avanço da guerra no leste europeu, o sinal de internet na Ucrânia foi interrompido, foi aí que a Starlink, com o incentivo financeiro dos Estados Unidos, enviou terminais de satélite para o país invadido.

Durante uma reunião com o grupo de trabalho aberto das Nações Unidas sobre a redução de ameaças espaciais, Vorostsov, na qualidade de chefe da delegação russa, alertou que o uso de satélites civis poderia ter finalidade militar.

“Gostaria de sublinhar uma tendência extremamente perigosa que vai além do uso inofensivo de tecnologias espaciais externas e se tornou aparente durante os eventos na Ucrânia. Ou seja, os Estados Unidos e seus aliados usam os elementos da infraestrutura civil, incluindo comercial, no espaço sideral para fins militares”, disse o ministro

Apesar de Vorontsov não ter mencionado a Starlink, não há dúvidas de que ele está se referindo a empresa de Elon Musk. Em outro trecho, o representante russo disse que o “uso provocativo” da tecnologia pode ser alvo de “retaliação”.

“Parece que nossos colegas não percebem que tais ações de fato constituem envolvimento indireto em conflitos militares. A infraestrutura quase civil pode se tornar um alvo legítimo de retaliação. No mínimo, esse uso provocativo de satélites civis é questionável sob o Tratado Espacial Exterior, que prevê o uso exclusivamente pacífico do espaço sideral, e deve ser fortemente condenado pela comunidade internacional”, concluiu o representante russo

Por outro lado, o CEO da SpaceX, Elon Musk, alertou que havia uma alta probabilidade de que a Rússia atacasse equipamentos da Starlink na Ucrânia. Porém, nessa situação o CEO se referia aos terminais terrestres e não espaciais. Além disso, ele também relatou que a Starlink sofreu ataques de interferência e hackers russos.