Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,76
    -0,48 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.739,90
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    16.185,77
    -278,14 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,52
    -0,77 (-0,20%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    27.967,27
    -195,56 (-0,69%)
     
  • NASDAQ

    11.626,25
    +10,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5460
    -0,0032 (-0,06%)
     

Rússia ainda debate permanência na Estação Espacial Internacional após 2024

Rússia ainda debate permanência na Estação Espacial Internacional após 2024
Rússia ainda debate permanência na Estação Espacial Internacional após 2024
  • Há poucos meses, a Rússia chegou declarar que sairia do programa;

  • A agência espacial russa está em discussões com o governo para estender sua participação no programa da ISS;

  • Anteriormente, o plano da Roscosmos era construir sua própria estação orbital.

A Rússia está discutindo internamente sobre continuar integrando ou não a Estação Espacial Internacional (ISS) após 2024. A ponderação sobre a questão persiste, apesar das declarações feitas no meio do ano de que o país sairia do programa da estação em meados da década.

O chefe de programas espaciais humanos da Roscosmos, Sergei Krikalev, disse na segunda-feira que a agência espacial russa está em discussões para estender sua participação no programa da ISS com o governo da Rússia e espera ter permissão para continuar no próximo ano.

A reviravolta ocorre apenas alguns meses depois que o chefe da Roscosmos, Yuri Borisov, anunciou os planos da Rússia de deixar a estação após 2024 e, em vez disso, construir sua própria estação orbital. A ISS é operada em parceria entre as agências espaciais dos EUA, Rússia, Canadá, Japão e Europa. Os americanos se comprometeram a operar a estação até 2030.

No entanto, Krikalev admitiu que uma nova estação russa pode não estar pronta até 2025, “para fazermos a presença humana contínua na órbita baixa da Terra”, disse ele.

Ele fez seus comentários durante uma coletiva de imprensa da NASA sobre a missão Crew-5, que está programada para ocorrer em 5 de outubro. Durante essa missão, a SpaceX lançará uma tripulação de quatro pessoas – incluindo a russa Anna Kikina – para a ISS. É a primeira vez que um cosmonauta voará em uma espaçonave SpaceX Crew Dragon, parte de um recente acordo de intercâmbio de transporte de astronautas entre os EUA e a Rússia. O astronauta americano Francisco Rubio foi lançado para a ISS a bordo de uma espaçonave russa Soyuz no mês passado como parte do acordo.

“Esse tipo de intercâmbio aumentará a robustez de nosso programa e continuaremos com essa prática para tornar nosso programa mais confiável”, disse Krikalev.

Tensões espaciais entre os EUA e a Rússia

Embora a Rússia e os EUA tenham colaborado na ISS por décadas, as tensões entre os dois países aumentaram desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro. Apesar dessa tensão, o gerente do programa ISS da NASA, Joel Montalbano, disse durante a entrevista coletiva que a equipe americana ainda está na Rússia trabalhando com a Roscosmos no Centro de Controle da Missão de Moscou e em outros locais. Ele acrescentou que a NASA está em contato frequente com a Embaixada Americana em Moscou e que não prevê impactos no próximo lançamento da Soyuz que levará um astronauta americano.