Mercado abrirá em 6 h 47 min

Rumores sobre The Batman, Superman, Laterna Verde e futuro da DC no cinema

Claudio Yuge

A DC Films parece estar finalmente engrenando. Depois de sofrer com Lanterna Verde, Batman vs Superman e Liga da Justiça, houve muitas mudanças, tanto de cadeiras quanto de cronograma, e agora parece que as coisas estão entrando nos trilhos, especialmente depois do sucesso de Mulher-Maravilha, Aquaman, Shazam e Coringa — os dois últimos com mais de US$ 1 bilhão de bilheteria. Agora, mais informações ventiladas nos bastidores da indústria trazem detalhes interessantes sobre o futuro do estúdio da Warner Bros.

Antes de mais nada, vale destacar que a chegada dos filmes de super-heróis na Warner aconteceu não somente devido à ascensão do Marvel Studios, mas, principalmente, devido ao fim dos filmes de Harry Potter como protagonista. Contudo, muitos executivos dentro da própria companhia ainda questionavam o potencial das adaptações da DC Comics trazer tantas cifras quanto o bruxo britânico.

(Imagem: Reprodução/Warner Bros)

Com os mais de US$ 1 bilhão de Coringa e de Aquaman, a Warner pretende investir mais nas propriedades da DC Comics e, especialmente, em conteúdo para adultos. "Há um enorme apetite por filmes de super-heróis classificados como adultos e, se a Marvel não vai avançar, isso apresenta uma abertura para a DC aproveitar esse público", comenta o analista de mercado Jeff Bock.

Mais filmes como Coringa estão a caminho

As mudanças na DC Films e o recente sucesso desses filmes não aconteceram por acaso. Vários insiders associam essa rápida evolução à Walter Hamada, executivo conhecido pelo seu trabalho de longa data na New Line Cinema. Ele assumiu a presidência do estúdio em 2018 e logo passou a construir uma programação mais sustentável.

Segundo os relatos de quem trabalha por perto, ele costuma ter um “forte senso de história e manter um olho firme nos resultados, controlando os orçamentos para que as produções não saiam dos trilhos”. Antes de Hamada, muitos filmes foram agendados antes mesmo que seus roteiros estivessem prontos.

(Imagem: Reprodução/Warner Bros)

A ideia era copiar o modelo do Marvel Studios, o que, obviamente, não deu certo. Com Hamada ao lado do chefe da divisão de cinema Toby Emmerich, a DC Films se sentiu mais “confortável” para apostar em filmes com classificação etária “Rated R”, para o público acima de 18 anos. Não à toa, tanto Aves de Rapina — E a Fantabulosa Emancipação da Tal Arlequina quanto Esquadrão Suicida 2 virão com essa mesma indicação.

The Batman e Superman

Hamada e Emmerich foram quem deram o sinal verde para trazer um novo Batman às telonas, mais jovem e ousado, com uma versão mais “detetivesca”, interpretada por Robert Pattinson. Dirigido por Matt Reeves (Planeta dos Macacos), o longa terá como antagonistas o Charada (Paul Dano), o Pinguim (Colin Farrell) e a Mulher-Gato (Zoe Kravitz).

Há indícios de que parte do filme aconteça no Asilo Arkham. O título é visto como promissor, principalmente porque, se funcionar, um ou mais desses vilões voltariam para seus próprios derivados solo, nos moldes de Coringa — os contratos do elenco já preveem sequências e títulos independentes.

Versão do Superman de Michael B. Jordan pode ser o da Terra-23 (Imagem: Reprodução/CBR)

Já a situação do Superman é mais complicada, pois o personagem já teve um reboot duas vezes nos últimos 13 anos, com Brandon Routh e Henry Cavill — sem contar as diversas aparições nas telinhas. Por isso, há um trabalho de pré-produção mais elaborado desta vez, segundo as fontes da Variety.

J.J. Abrams e sua produtora, a Bad Robot, estariam em meio às conversas, juntamente com Michael B. Jordan, em uma versão diferente do Homem de Aço que chegou às telonas até agora. Só que uma das dificuldades é alinhar a agenda de Jordan para um projeto de longa data, sem roteiro e nem mesmo diretor. Por isso, a previsão é de que um novo filme do Superman só chegue depois de 2023.

Lanternas Verdes e outros membros da Liga da Justiça

Lanterna Verde, que abriu caminho para a DC Films, ainda continua sendo um projeto de prioridade na Warner. O personagem também foi levado para J.J. Abrams e a Bad Robot, que estariam bastante interessados na franquia — o que faz sentido, já que ela funciona como o “Star Wars da DC Comics” e Abrams é familiarizado tanto com Star Trek quanto com a saga dos Skywalker.

Mas aí haveria uma certa discussão, pois Greg Berlanti, que vem tendo bons resultados com os heróis da DC nas telinhas, tem engatilhado a nova série da Tropa dos Lanternas Verdes no novo serviço de streaming HBO Max. Caso faça sucesso, Berlanti teria mais poder de negociação para ser o diretor da próxima adaptação para os cinemas.

(Imagem: Reprodução/HN Entertainment)

O Flash de Ezra Miller ainda não estaria morto, segundo as mesmas fontes. O filme solo continua em desenvolvimento, com direção de Andy Muschietty (It: A Coisa) e roteiro de Christina Hodson (Blumblebee) — ela também vai escrever o longa da Batgirl. Só que o Corredor Escarlate não tem previsão de chegada antes de 2021, por conta do cronograma de Miller com Animais Fantásticos.

Para completar essa longa rodada de novidades, The Trench, spin-off de Aquaman sobre as criaturas do fundo do oceano, também está na mesa de produção. Vale destacar que já estão a caminho de lançamento Aves de Rapina — E a Fantabulosa Emancipação da Tal Arlequina (6 de fevereiro de 2020), Mulher-Maravilha: 1984 (4 de junho de 2020), Esquadrão Suicida 2 (6 de agosto de 2021), Adão Negro (22 de dezembro de 2021), Shazam 2 (algum momento de 2021) e Aquaman 2 (16 de dezembro de 2022).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: