Mercado abrirá em 8 h 56 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,44
    +0,53 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.806,20
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    18.935,35
    -133,14 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,37
    +5,62 (+1,52%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.886,45
    +298,25 (+1,12%)
     
  • NIKKEI

    26.581,98
    +416,39 (+1,59%)
     
  • NASDAQ

    12.152,00
    +76,00 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4030
    +0,0061 (+0,10%)
     

Rumo bate recorde de volumes no 3º tri, mas lucro cai 54%

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Rumo teve desempenho operacional recorde no terceiro trimestre, mas viu o lucro cair forte em meio ao declínio de tarifas de transporte ferroviário e despesas com a renovação antecipada da Malha Paulista.

A companhia, braço de logística do grupo Cosan, anunciou nesta quarta-feira lucro líquido de julho a setembro de 171 milhões de reais, queda de 53,7% ante mesma etapa de 2019.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, amortização e depreciação (Ebitda) atingiu 1,11 bilhão de reais no período, caindo 7,7% no comparativo anual. Além disso, a margem Ebitda declinou 4,3 pontos percentuais, para 54,3%.

A Rumo afirmou que fez em setembro pré-pagamento de parcial das outorgas das malhas ferroviárias Central e Paulista no montante de 5,1 bilhões de reais.

O volume transportado pela Rumo no trimestre, de 17,5 bilhões de toneladas equivalentes, foi 1% maior do que um ano antes, com destaque para transporte de açúcar (+88%), fertilizantes (+20%) e celulose (+18%). Por outro lado, o transporte de produtos industriais caiu 1,6% em função do impacto da pandemia da Covid-19, que provocou queda no transporte de combustíveis.

E tarifa de transporte ferroviário em declínio e maiores custos variáveis aumentaram a pressão. Assim, a receita líquida, foi 0,3% menor, a 2,05 bilhões de reais.

A companhia registrou um salto de 45,9% no resultado financeiro negativo, para 438 milhões de reais, empurrado por maiores encargos com dívida, o que também pesou na última linha do resultado.

A dívida líquida terminou setembro em 6,6 bilhões de reais e a alavancagem atingiu 1,7 vez dívida líquida sobre Ebitda ajustado.

(Por Aluísio Alves)