Mercado fechará em 1 h 5 min
  • BOVESPA

    111.350,77
    -722,77 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.396,39
    -622,52 (-1,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,31
    -0,10 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.929,00
    -13,80 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    23.879,30
    +874,63 (+3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    545,49
    +0,17 (+0,03%)
     
  • S&P500

    4.177,35
    +58,14 (+1,41%)
     
  • DOW JONES

    33.973,45
    -119,51 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.827,75
    +413,50 (+3,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4627
    -0,0917 (-1,65%)
     

Ruído Branco | Conheça o novo filme da Netflix com Adam Driver e Greta Gerwig

Quase nos finalmentes de 2022, a Netflix traz o que pode ser a sua grande última estreia do ano. Ruído Branco chega ao streaming no dia 30 de dezembro com um elenco de peso e uma proposta mais do que interessante — e tudo isso apoiado em um clássico americano e no próprio contexto atual. E tudo isso para falar sobre as nossas agonias do cotidiano.

Esse olhar para as relações humanas e seus dilemas é algo que o diretor Noah Baumbach já tinha abordado em História de um Casamento, um dos grandes clássicos recentes da plataforma e indicado a diversos Oscar. A diferença é que, desta vez, ele faz essa reflexão puxando a história para uma dramédia, misturando o conflito existencial com situações absurdas que geram um humor bem peculiar.

Parece confuso e, de fato, é — mas faz parte da proposta. Isso porque o caos faz parte da estética de Ruído Branco. É um filme que tem tanta coisa para dizer que é fácil se perder em meio a essa cacofonia toda. E é aí que o pôster ajuda a entender o que está sendo dito: “se está por todo o lado, não se consegue ouvir”.

Um clássico moderno

Você já deve ter ouvido o termo ruído branco: é aquele som constante que o seu cérebro simplesmente desconsidera, uma presença que passa a fazer parte da paisagem e você deixa de notá-la. E é sobre esses “ruídos” que o longa aborda, principalmente quando algo faz com que nos demos conta de cada um deles.

Para isso, Baumbach adapta um dos clássicos modernos da literatura americana. Ruído Branco é um livro escrito por Don DeLillo em 1985 que faz uma sátira social a partir desses absurdos que já se tornaram parte da “paisagem” da sociedade. Isso inclui desde o consumismo desenfreado à glorificação de um intelectualismo vazio, passando pela violência e a própria espetacularização de tragédias.

Filme é uma sátira social muito bem feita baseada em um livro com a mesma pegada (Imagem: Divulgação/Netflix)
Filme é uma sátira social muito bem feita baseada em um livro com a mesma pegada (Imagem: Divulgação/Netflix)

E é justamente uma tragédia que faz a família do professor universitário Jack Gladney se deparar com questões que sempre estiveram presentes em suas vidas, mas que nunca deram a devida atenção. É após um acidente industrial que eles passam a encarar o medo da morte e a rever as próprias relações entre si.

Atualizando o conceito

Essa é uma temática que cai como uma luva no contexto atual. Ruído Branco chega à Netflix em um momento muito semelhante àquele em que os personagens se encontram na trama. Acabamos de passar por uma pandemia e muita gente saiu transformada dessa experiência terrível — e sobre isso que o longa de Baumbach vai tratar.

Assim, temos Adam Driver quase irreconhecível interpretando esse professor especializado em Hitler e que revê toda sua relação com a família e a esposa Babette (Greta Gerwig) após a pequena cidade em que vivem ser tomada por uma nuvem tóxica vinda de um acidente com produtos químicos.

Mensagem do filme se encaixa muito bem ao momento pós-pandemia (Imagem: Divulgação/Netflix)
Mensagem do filme se encaixa muito bem ao momento pós-pandemia (Imagem: Divulgação/Netflix)

É uma alegoria bem óbvia para a pandemia, mas o interessante do longa está no modo como ele vai trabalhar, a partir disso, os ruídos brancos que compõem nossa sociedade. Da busca por uma normalidade em meio ao absurdo à ideia do consumismo como uma âncora de segurança, tudo é alvo de alfinetada.

E tudo isso feito com um humor bastante peculiar. Não é aquela comédia típica e esperada, mas um tipo mais voltado para o desconforto que pode não agradar todo mundo.

Quando estreia na Netflix

Como dito, Ruído Branco estreia na Netflix no dia 30 de dezembro. Por isso mesmo é uma das últimas estreias de 2022 da plataforma e chega ao serviço bem a tempo de você assistir antes da virada do ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: