Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,49
    -2,46 (-3,33%)
     
  • OURO

    1.816,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    38.991,35
    -2.177,59 (-5,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    951,68
    -9,21 (-0,96%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    14.959,75
    +4,00 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1428
    -0,0452 (-0,73%)
     

RS vende estatal de transmissão de energia por R$ 2,67 bilhões

·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em leilão concorrido, o governo do Rio Grande do Sul privatizou nesta sexta-feira (16) a CEEE-T (Companhia Estadual de Transmissão de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul). A disputa foi vencida pela CPFL, por R$ 2,67 bilhões, um ágio de 57,13% sobre o preço inicial.

Foi a segunda privatização de estatais do setor elétrico do governo Eduardo Leite (PSDB) em 2021. Em março, a Equatorial Energia arrematou a CEEE-D (Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica) por R$ 100 mil mais incorporação de dívidas e compromissos.

No leilão, foi vendida uma fatia de 66,08% do capital social da CEEE-T. A empresa é responsável pela operação e manutenção de mais de 6 mil km de linhas de transmissão de energia e de 69 subestações, que cobrem todo o estado.

Ao todo, seis concorrentes apresentaram proposta na primeira fase do leilão. A CPFL saiu na frente, com oferta de R$ 2,6 bilhões, mas a disputa foi para viva-voz, fase em que a vencedora disputou alguns lances com a CTCE (Companhia Técnica de Comercialização de Energia).

O pacote de privatizações faz parte do plano de ajuste fiscal defendido pelo governador, que já aprovou também reformas que alteraram o plano de carreira e o modelo previdenciário de servidores, incluindo o sistema de aposentadorias de militares.

"Estamos aqui pela terceira vez no nosso mandato e não estamos nem perto de chegar à metade das vezes que pretendemos vir", disse o governador, em seu discurso, citando melhoria de indicadores de segurança e saúde como argumento de que o Estado deve focar na prestação de serviços básicos.

"É importante reconhecer que o setor privado tem maior capacidade de eficiência na administração", afirmou. "A decisão não vem para injetar recurso no caixa do governo, vem na firme convicção de que os investidores vão injetar bilhões de reais na economia."

No setor elétrico, o governo ainda privatizará a CEEE-G, que tem operações no segmento de geração de energia. No momento, os estudos técnicos para a privatização estão sendo tocados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Além disso, há parcerias com o BNDES para desenhar a venda também de empresas de saneamento, gás encanado e mobilidade urbana, além da concessão de rodovias, parques e presídios.

O leilão ganhou tom de campanha antecipada, com discursos enaltecendo o trabalho do governador Eduardo Leite, um dos cotados para disputar a presidência da República pelo PSDB em 2022. Três secretários de estado e o presidente da assembleia legislativa foram convidados a falar.

"Tenho orgulho de estar ao lado de um jovem e experiente governador, que vejo trabalhando no sentido de transformar o estado do Rio Grande do Sul", disse o secretário estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana.

O orador seguinte, o secretário extraordinário de Parcerias do estado, Leonardo Busatto, afirmou que o governador é "um líder inspirador". "Talvez o líder mais inspirador da minha geração, de cerca de 40 anos", disse.

Último a discursar, Leite fez um balanço positivo de sua gestão e se apresentou como um "enfrentador de dificuldades". Concluiu dizendo que, se o estado conseguiu avançar nos últimos anos, "é possível ao nosso imenso Brasil, com a força que tem, com o fôlego que tem, superar suas adversidades".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos