Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.655,54
    +2.004,23 (+3,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Rover Curiosity registra nuvens impressionantes cruzando o céu marciano; veja!

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

O rover Curiosity, da NASA, registrou a passagem de nuvens escuras sobre o Monte Mercou, no último dia 19, na cratera Gale — onde se encontra o robô. Acredita-se que as nuvens sejam formadas principalmente por dióxido de carbono e só poderiam ser vistas a olho nu logo após o pôr do Sol.

O vídeo que mostra os movimentos das nuvens na atmosfera marciana é o resultado de oito imagens registradas pelo Curiosity. O conteúdo foi divulgado pelo professor associado de Ciência Planetária da Universidade Estadual da Carolina do Norte, Paul Byrne, em publicação no Twitter, que diz: “nuvens no céu, passando suavemente no alto”.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O monte no campo de visão da câmera de navegação direita do rover se trata do Monte Mercou, uma camada de sedimentos com cerca de sete metros de altura. Essas mesmas camadas também são encontradas à beira de leitos de rios secos aqui na Terra — o que torna o monte um interessante destaque para as lentes do robô. O Curiosity está estacionado ali na cratera Gale há algum tempo enquanto usa suas ferramentas científicas para compreender o ambiente ao seu redor. “As texturas e variações de cores no penhasco são hipnotizantes e estamos nos esforçando para entendê-las”, disse Lucy Thompson, geóloga planetária da Universidade de New Brunswick, no Canadá.

Visão do Monte Mercou, na cratera Gale, pelas entes do rover Curiosity (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Visão do Monte Mercou, na cratera Gale, pelas entes do rover Curiosity (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

As nuvens são muito finas e os cientistas acreditam que detritos espaciais, ao atingirem a tênue camada atmosférica do planeta, criem pequenas partículas que facilitam a formação dessas nuvens — basicamente formadas por dióxido de carbono —, as quais podem chegar a uma altura aproximada de 99 km.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: