Mercado abrirá em 4 h 29 min

Rover chinês Yutu-2 bate recorde de operação na Lua após 11 meses de missão

Felipe Junqueira

O rover chinês que está no lado afastado da Lua conseguiu uma marca muito importante no início desta semana: tornou-se o instrumento construído pela humanidade mais longevo em ação na superfície lunar. O Yutu-2 já superou o recordista anterior, o rover soviético Lunokhod 1, de acordo com a China Global Television Network.

A chegada do rover soviético ao satélite natural da Terra ocorreu em 17 de novembro de 1970. Depois de quase 10,5 km percorridos, mais de 20.000 imagens transmitidas e 200 panoramas, o Lunokhod deixou de funcionar em 4 de outubro de 1971, com um total de 321 dias, ou 10 meses, 2 semanas e 3 dias.

O rover lunar soviético Lunokhod-1 (Foto: Arizona State University)

Agora, o Yutu-2 já completou 11 meses de trabalhos na Lua, iniciados em 3 de janeiro deste ano. Até esta quarta-feira (18), já totaliza 349 dias, ou 11 meses, 2 semanas e 1 dia. E, de acordo com a CGTN, o rover vai continuar seus trabalhos na superfície por tempo ainda indefinido. Ele já se locomoveu por um total de 345 metros, segundo a CNSA (a agência aeroespacial da China).

A missão Chang’e-4 chegou à Lua pousando na cratera Von Kármán, uma gigantesca depressão de 186 km próxima ao Polo Sul do hemisfério lunar que não podemos ver daqui da Terra. No início de dezembro, o Yutu-2 completou o 12º dia lunar de trabalhos, iniciando o período de descanso conforme a noite, que dura duas semanas terrestres, derruba a temperatura no satélite natural, forçando o veículo a descansar até que um novo dia lunar se inicie.

Yutu-2 deixando suas "pegadas" no solo lunar (Foto: CNSA)

Entre seus feitos, estão diversas imagens do lado afastado da Lua, até então pouco explorado pela humanidade, além de ter encontrado uma substância com coloração estranha e da possível confirmação de uma teoria sobre a cratera onde pousou. Acredita-se que a vasta depressão teria sido criada a partir do impacto de um asteroide há bilhões de anos e, agora, os cientistas da missão descobriram evidências de que tal impacto teria sido tão poderoso a ponto de perfurar a crosta lunar (que tem 50 km de profundidade), adentrando a camada abaixo do manto.

Recorde do primeiro Yutu

Rover Yutu na Lua (Foto: CNSA)

Curiosamente, a própria CGTN não citou o recorde do antecessor do Yutu-2, chamado apenas de Yutu. O primeiro rover lunar chinês teve problemas logo no início de sua missão, e funcionou apenas parcialmente desde o final do segundo dia lunar, até 31 meses após sua chegada. Apesar de não mais se mover, o rover ainda coletou dados até deixar de funcionar totalmente.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: