Mercado fechado

Rotatividade aumenta em Wall Street com remuneração de 8 dígitos

·3 min de leitura

(Bloomberg) -- A mesa de negociações embarcava em um segundo ano de fortes ganhos quando executivos veteranos começaram a trocar a empresa por gigantes como Bank of America, Citigroup e Millennium Management. No quarto trimestre, muitos pesos-pesados do time haviam partido.

Most Read from Bloomberg

O cenário não era um banco de investimento em dificuldades. Era a mesa de derivativos de ações do poderoso JPMorgan Chase, um dos muitos focos de rotatividade de funcionários nos últimos meses. Recrutadores do banco estão ocupados. E isso é parte de uma tendência predominante no setor financeiro de Manhattan.

Sinais de maior rotatividade em Wall Street surgem em todos os lugares: um recrutador independente disse que nunca viu tantas vagas com salários de oito dígitos. Segundo um coach de carreira, seus clientes do setor financeiro não estão baseando as decisões apenas em dinheiro: estão fartos de trabalhar tanto que nem conseguem dar atenção à vida afetiva. Um veterano do mercado disse que os pedidos de demissão se tornaram tão frequentes que algumas pessoas começam a focar ansiosas: estão cometendo um erro ao ficar?

A tendência coincide com o alívio de uma pandemia que estimulou mudanças de emprego e levou muitos no setor a questionarem se querem retomar o deslocamento até o trabalho ou até mesmo ficar na mesma cidade. Agora, rivais acenam com dinheiro ou, em alguns casos, estilos de vida mais flexíveis para atrair talentos e capitalizar no boom de negociações e acordos de aquisições. Também há mais competição para mulheres e profissionais que representam minorias depois que praticamente todas as grandes empresas prometeram melhorar a diversidade na esteira dos protestos de igualdade racial do ano passado.

Embora os números sejam difíceis de calcular, o JPMorgan não está sozinho. O que impressiona é o fato de uma empresa tão rentável não estar imune à fuga de talentos. As taxas de pedidos de demissão em muitas das divisões do JPMorgan estão pelo menos alguns pontos percentuais acima dos níveis pré-pandemia, de acordo com pessoas com conhecimento direto do assunto. Isso se traduz em milhares de vagas a preencher, o que aumenta ainda mais a rotatividade em outros bancos, e assim por diante.

Na verdade, a máquina de contratação do JPMorgan tem sofrido com substituições e muito mais. Apesar do elevado número de funcionários que saíram, a divisão corporativa e de banco de investimento conseguiu aumentar o quadro de funcionários em 4.500 pessoas nos primeiros nove meses do ano. E a mesa de derivativos de ações recorreu a promoções para preencher vagas e elevou a receita em mais de 20% em comparação com o ano passado, disse uma fonte.

“Conseguimos reter os melhores talentos, mesmo neste ambiente único”, disse Brian Marchiony, porta-voz do JPMorgan. “Também recebemos algumas novas contratações excelentes para o JPMorgan, devido ao nosso desempenho e liderança de mercado.”

O problema para os bancos é que defender e recrutar talentos custa caro. O JPMorgan e o Bank of America estão entre as empresas que alertaram acionistas no mês passado sobre o aumento dos custos de remuneração no ano que vem.

O CEO do Goldman Sachs, David Solomon, disse a analistas que existe pressão sobre a remuneração e inflação salarial, mas que é algo administrável. Dias depois, o conselho do Goldman concedeu bônus especiais de longo prazo a ele e a um vice, dando-lhes mais motivos para permanecer.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos