Mercado fechará em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    117.088,31
    +858,20 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.780,79
    -265,79 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,50
    +0,98 (+1,13%)
     
  • OURO

    1.717,50
    -13,00 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    20.135,26
    +114,17 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,90
    -2,50 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.759,55
    -31,38 (-0,83%)
     
  • DOW JONES

    30.138,92
    -177,40 (-0,59%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.505,25
    -135,50 (-1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1418
    -0,0261 (-0,51%)
     

Rota “potencialmente letal” do Google Maps gera controvérsias na Escócia

·2 min de leitura
Rota “potencialmente letal” do Google Maps gera controvérsias na Escócia
Rota “potencialmente letal” do Google Maps gera controvérsias na Escócia

Organizações de alpinismo e montanhismo na Escócia lançaram um comunicado na sexta-feira (16/07) em que criticam o Google Maps por fornecer uma rota de carro “potencialmente letal” para a montanha de Ben Nevis, a mais alta do Reino Unido. De acordo com a John Muir Trust, organização que toma conta do pico de 1.345 metros de altitude, o aplicativo exibe um caminho que direciona os usuários a um estacionamento próximo ao cume da montanha em vez da entrada.

“Mesmo o montanhista mais experiente teria dificuldade em seguir essa rota”, explica Heather Morning, conselheira da Mountaineering Scotland, organização que assina o comunicado com a John Muir Trust. “A linha passa por terrenos muito íngremes, rochosos e sem caminhos em que, mesmo com boa visibilidade, seria difícil encontrar uma rota segura. Some baixas nuvens e chuva a isso e a rota sugerida pelo Google Maps é potencialmente letal”, acrescentou.

Em declaração à CNN na mesma data (16/07), um porta-voz do Google agradeceu o feedback dado pelos grupos de montanhismo e explicou que a empresa americana está examinando o problema de roteamento em Ben Nevis e arredores. A companhia também esclareceu que está atualizando suas rotas de direção para levar as pessoas ao centro de visitantes da montanha, que é onde começa a rota oficial.

Organizações pedem para visitantes usarem mapas físicos

Ainda temerosos, a John Muir Trust e a Mountaineering Scotland aconselharam as pessoas interessadas em escalar a Ben Nevis a verificar suas coordenadas em um mapa profissional. Além disso, que, caso tenham dúvidas no caminho, consultem guias locais.

Segundo Morning, muitos visitantes não sabem onde obter informações confiáveis sobre a região e acreditam que o Google Maps pode levá-los ao topo de uma montanha. Ela cita o caso de uma montanha no noroeste da Escócia, An Teallach, em que o mecanismo de busca do Google Maps no modo caminhada leva as pessoas a um penhasco.

“É muito fácil hoje em dia presumir que as informações na internet são boas, corretas e atualizadas”, esclareceu a conselheira. “Infelizmente, a experiência mostra que este não é o caso, com vários incidentes recentes em que seguir as rotas baixadas na internet resultaram em ferimentos ou pior.”

Via 9to5Google e Gizmodo

Imagem: Migle Siauciulyte/Unsplash/CC