Mercado abrirá em 2 h 43 min
  • BOVESPA

    115.062,54
    -1.118,01 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,61
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.778,60
    -16,20 (-0,90%)
     
  • BTC-USD

    47.906,71
    +522,43 (+1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.233,39
    +36,17 (+3,02%)
     
  • S&P500

    4.480,70
    +37,65 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.814,39
    +236,82 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.051,36
    +34,87 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.474,50
    -29,50 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1456
    -0,0504 (-0,81%)
     

Rota para escrutínio regulatório da China começa na Alemanha

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com o objetivo de entender a repressão regulatória do governo da China, alguns economistas buscaram pistas em uma inspiração improvável: Alemanha.

A China migrou do “American way” para o “German way”, escreveu Chen Li, estrategista sênior da corretora Soochow Securities, em apresentação recente amplamente compartilhada nas redes sociais chinesas.

A regulamentação ao estilo alemão atrai a China de várias maneiras, diz Chris Leung, economista-chefe para a China do DBS Group. A Alemanha tem grandes bancos estatais, um forte setor de exportação de manufaturados e não enfrenta uma crise financeira desde a Segunda Guerra Mundial.

“A saída de Pequim do modelo anglo-saxão já começou”, escreveu Leung em relatório na segunda-feira. “O modelo alemão é um forte concorrente como modelo orientador de desenvolvimento.”

Embora a analogia com a Alemanha tenha seus limites, há pelo menos três áreas de convergência que valem a pena destacar: regras antitruste, ênfase na manufatura em relação ao setor de serviços e abordagem para a educação.

Antitruste

O governo chinês tenta encolher o poder do mercado das maiores empresas privadas nos setores de tecnologia e imobiliário, atualizando regulamentos antitruste para incluir serviços de Internet. Empresas de tecnologia - incluindo duas das maiores histórias de sucesso da economia privada da China, Alibaba e Tencent - perderam centenas de bilhões de dólares em valor de mercado desde o início escrutínio no ano passado.

Na semana passada, a China prometeu dar continuidade a esse projeto, com mais regulamentos para garantir o “desenvolvimento saudável de novas formas de negócios” relacionadas à economia digital. Embora alguns economistas digam que tais regras obscurecem as perspectivas econômicas da China, a Alemanha demonstrou que é possível construir uma economia avançada sem gigantes da tecnologia de consumo.

Há um reconhecimento de que “empresas como Facebook e Twitter não contribuem necessariamente para o bem comum e que o modelo de negócios consiste em operar em um espaço de baixa regulamentação”, disse Rogier Creemers, professor de estudos chineses da Universidade de Leiden, nos Países Baixos. “É daí que vem a ideia ‘queremos ser como a Alemanha’.”

A China consultou especialistas alemães enquanto redigia suas regulamentações antimonopólio, disse Peter Hefele, responsável pelo departamento da Ásia-Pacífico da Konrad-Adenauer-Stiftung, uma fundação afiliada ao partido de centro-direita União Democrata Cristã da Alemanha. “Copiaram muito da legislação alemã.”

Manufatura

A China quer se tornar uma economia desenvolvida sem perder sua base industrial. O plano econômico quinquenal do governo de Pequim divulgado em março não traz nenhuma meta para a proporção do consumo da economia, mas promete manter a parcela gerada pela manufatura “basicamente estável” em 25%.

Isso ecoa o modelo alemão, onde a manufatura responde por cerca de 18% do PIB em comparação com cerca de 11% nos EUA, de acordo com o Banco Mundial.

“A admiração vem da ideia de que a Alemanha nunca desistiu de seu núcleo industrial e que este pode ser mais importante do que o setor de serviços”, disse Doris Fischer, responsável por negócios e economia da China na Universidade de Würzburg.

O programa “Made in China 2025” de Pequim, com foco na expansão da manufatura doméstica nos segmentos de tecnologia, foi inspirado no projeto Indústria 4.0 da Alemanha. Embora o governo chinês tenha minimizado esse programa após uma reação liderada por Washington, a guerra comercial com os EUA apenas acelerou suas ambições por mais autossuficiência industrial.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos