Mercado fechado
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,17
    -0,39 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.813,00
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    38.488,75
    -815,73 (-2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    939,79
    -3,65 (-0,39%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.521,20
    -120,63 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    15.034,00
    -12,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1724
    +0,0069 (+0,11%)
     

Rosa Weber nega pedido de Wizard para barrar quebra de sigilo determinada pela CPI

·2 minuto de leitura

Brasília — A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido do empresário Carlos Wizard para barrar a quebra de sigilo telefônico e telemático determinada pela CPI da Covid-19 no Senado.

Na decisão que indeferiu o pedido da defesa de Wizard, a ministra não considerou a quebra de sigilo desproporcional ou sem justificativa, uma vez que uma das linhas investigativas traçadas pela CPI diz respeito à "existência de um Ministério da Saúde Paralelo – que defendia a utilização de medicação sem eficácia comprovada e apoiava teorias como a da imunidade de rebanho –, do qual o autor desta impetração supostamente seria integrante, e um de seus financiadores".

Para Rosa, a eventual existência de um Ministério da Saúde Paralelo, desvinculado da estrutura formal da Administração Pública, "constitui fato gravíssimo que dificulta o exercício do controle dos atos do Poder Público, a identificação de quem os praticou e a respectiva responsabilização e, como visto, pode ter impactado diretamente no modo de enfrentamento da pandemia".

Os advogados de Wizard argumentavam que o empresário nunca ocupou cargo público e que, apesar dos fins a que se destina, "a CPI-Pandemia tem praticado atos desbordantes de seus limites, incorrendo, pois, em manifesta ilegalidade e inconstitucionalidade, tal como sucedeu com a decretação de quebra de sigilo telefônico e telemático que lhe foi imposta.

"Ao contrário do alegado pelo impetrante, o requerimento que fundamentou o pedido de quebra faz menção a indícios que, devidamente lidos no contexto mais amplo da presente investigação parlamentar, estão perfeitamente adequados ao objetivo de buscar a elucidação das ações e omissões do Governo Federal no enfrentamento da Pandemia da Covid-19 no Brasil", diz trecho da decisão da ministra.

Após o comando da CPI da Covid do Senado negar seus pedidos, Wizard recorreu ao Supremo para evitar depor à comissão nesta quinta-feira. A análise deste pedido, contudo, ainda não ocorreu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos