Mercado abrirá em 2 h 47 min

Rollo explica 'calote internacional' que o Santos recebeu do Boavista

Fábio Lázaro
·2 minuto de leitura


O Santos acionou o Boavista (POR) na Fifa pelo não repasse de 500 mil euros da equipe portuguesa ao Peixe pela prioridade na venda do zagueiro Luiz Felipe. A informação foi confirmada pelo presidente santista, Orlando Rollo, em atendimento a imprensa após a reunião do Conselho Deliberativo realizada nesta quarta-feira (21).

O Alvinegro previa o recebível dos lusitanos para pagar a primeira parcela de um acordo com o Hamburgo (ALE), que retirou uma ação contra o Peixe na Fifa referente ao não pagamento dos santistas na contratação do zagueiro Cléber Reis, em 2017, e a solução foi solicitar o empréstimo ao conselheiro Andrés Rueda, que também concorre a presidência do Alvinegro, e havia realizado uma primeira operação por 1,5 milhão de euros para a abertura do acordo com os alemães.

– Uma negociação feita pelo presidente afastado que previa pagamento de 500 mil euros no início de setembro e pagamento não foi realizado. Santos contava para dar de entrada ao Hamburgo. Eu acionei nosso departamento jurídico e pedi cobrança diária. Quando vi que não estavam respondendo, procurei diretamente o presidente. E senti que havia grande possibilidade de calote internacional. Então pedi o empréstimo ao Andrés Rueda humildemente. Pedi para o jurídico entrar na Fifa para recebermos esse pagamento – disse Rollo.

De acordo com o presidente, ambos os empréstimos de Rueda serão parcelados e o início do pagamento ocorrerá em 2021.

– Esses pagamentos ao Rueda serão feitos a partir do ano que vem, de maneira parcelada – afirmou o líder santista.

Além da preferência de Luiz, o Santos negociou com o Boavista a cessão do zagueiro equatoriano Jackson Porozo, que nunca chegou a ser promovido ao time profissional santista. De acordo com o mandatário do Peixe, essa é uma transação distinta que está sob análise da diretoria, mas será publicada em um ‘novo Portal da Transparência’ quando houver definições sobre o assunto.

– Isso aí está sob análise. Não tenho condições de falar. Pedimos auditoria em todos os contratos, a maioria nebulosos. Como está sob análise do jurídico, não posso passar essa informação. Mas isso será informado de forma transparente – pontuou Orlando Rollo.

– Gostaria de salientar que na próxima semana vai entrar o Portal da Transparência. Portal verdadeiro, não é para inglês ver. Não é um portal que se entra e só aparece o Estatuto. Vai ter um portal de verdade. Todas as informações poderão ser buscadas lá – acrescentou.

Rollo assumiu a presidência interina do Santos no dia 29 de setembro e ficará no cargo até o fim de 2020. O dirigente tem denominado o período à frente do clube de “gestão de transição”, onde visa “arrumar a casa” para entregá-la ao próximo mandatário, que será definido em eleição prevista para o dia 12 de dezembro. Enquanto isso, o titular da posição máxima do Peixe, José Carlos Peres, está afastado do cargo, pois é alvo de um pedido de impeachment por irregularidade fiscais.