Mercado abrirá em 27 mins
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,98
    +0,15 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.908,00
    -3,70 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    11.805,79
    +748,78 (+6,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    238,82
    +5,15 (+2,21%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.901,55
    +16,90 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.726,75
    +76,50 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6043
    +0,0054 (+0,08%)
     

Maia diz que Câmara pode questionar no STF portaria que limita aborto legal

Marcella Fernandes
·2 minutos de leitura

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a portaria do Ministério da Saúde que limita o acesso ao aborto legalpode ser questionada no STF (Supremo Tribunal Federal). O texto assinado pelo ministro interino Eduardo Pazuello, na semana passada, prevê notificação à autoridade policial no caso de interrupção de gravidez resultado de estupro e aumenta as barreiras para o procedimento previsto em lei há 80 anos.

Em entrevista a jornalistas nesta terça-feira (1º), Maia disse que busca uma solução política para derrubar a medida, mas admite a possibilidade de judicialização. “O melhor caminho é que o governo pudesse recuar nessa decisão. E se isso não ocorrer, acho que temos que trabalhar para que a gente possa ter voto aqui ou para que algum partido, ou a própria Câmara, em algum momento decida ir ao Supremo Tribunal Federal para sustar essa portaria, que é claramente ilegal e inconstitucional”, afirmou.

Nesta sexta-feira (28), a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) protocolou um projeto de decreto legislativo (PDL) para derrubar a portaria. Outros dois PDLs com o mesmo objetivo foram apresentados em seguida. O texto precisa ser votado pelo Câmara e pelo Senado.

Em outra frente, partidos e organizações da sociedade civil também têm articulado estratégias para questionar judicialmente a decisão de Pazuello.

Há uma pressão para que o próprio ministério recue. Deputadas da bancada feminina têm conversado com os líderes dos respectivos partidos, e a presidente da bancada, deputada Professora Dorinha (DEM), entregou um ofício a Maia para que o PDL entre na pauta.

O presidente da Câmara também têm conversado com líderes governistas para ampliar o apoio ao PDL. “Do meu ponto de vista [a portaria] é completamente ilegal, absurda. Não é o Ministério da Saúde que pode tomar uma decisão como tomou. Na verdade, uma interferência em uma lei”, disse.

Sobre acionar o STF, o presidente da Câmara disse...

Continue a ler no HuffPost