Mercado fechará em 3 h 24 min

Maia ironiza 'exílio' de Weintraub e cutuca ex-ministro: 'ninguém está sentindo falta dele'

Ex-ministro publicou foto nos EUA agradecendo ajuda que recebeu para deixar o país - Foto: Reprodução/Instagram

Mesmo fora do ministério da Educação (MEC), Abraham Weintraub continua no centro de polêmicas. Nessa terça-feira (23), Jair Bolsonaro (sem partido) retificou a data de sua exoneração, após uma controversa ida do ex-ministro para os EUA. Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, ironizou a “pressa” de Weintraub para deixar o Brasil.

“Eu não entendi. Ele estava fugindo de alguém? Estranho, né? Deve ser a primeira vez na história que alguém diz que está exilado e tem o apoio do governo. Geralmente é o contrário, as pessoas fogem porque estão sendo perseguidos pelo governo. Não faz muito sentido”, comentou Maia, em entrevista coletiva, ao ser questionado sobre a polêmica retificação de datas.

Leia também:

No último final de semana, Weintraub deixou o país rumo aos Estados Unidos e, ao chegar ao país norte-americano, teve sua exoneração confirmada. A ação gerou críticas ao governo federal, acusado de ter facilitado uma saída do ex-ministro do país, já que ele é investigado em dois inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF).

A exoneração de Weintraub havia sido publicada no sábado (20), quando ele já se encontrava em Miami. Tal cenário gerou questionamentos sobre um uso indevido de passaporte diplomático por parte do ex-ministro.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Maia, que há tempos critica Weintraub publicamente, disse não entender qual era a necessidade de toda a a polêmica criada diante da situação.

“Ninguém está sentindo falta dele no ministério da Educação, ninguém queria que ele ficasse no Brasil de qualquer jeito porque, de fato, é uma pessoa que mais atrapalhou do que ajudou. Não entendi essa necessidade de criar um ambiente para ele sair correndo do Brasil, até porque ele tá sendo indicado para um banco internacional [Banco Mundial], certamente ele teria autorização dos EUA para entrar no país”, argumentou.

Já sem Weintraub, o MEC aguarda que Jair Bolsonaro analise os possíveis substitutos para o ex-ministro. Renato Feder, secretário estadual do Paraná, é cotado para o cargo, mas negou ter recebido convite do presidente.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.