Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.770,10
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    55.018,92
    -1.038,22 (-1,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.234,37
    -64,59 (-4,97%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.109,56
    -575,81 (-1,94%)
     
  • NASDAQ

    13.921,50
    +24,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6766
    +0,0009 (+0,01%)
     

Robinhood quer permitir que usuários comprem em IPOs, dizem fontes

David French e Anirban Sen
·2 minuto de leitura
.

Por David French e Anirban Sen

(Reuters) - A Robinhood está montando uma plataforma para "democratizar" as ofertas iniciais de ações (IPOs), incluindo a sua própria, que permitiria aos usuários de seu aplicativo abocanhar ações junto com fundos de Wall Street, segundo pessoas a par do assunto.

A mudança pode prejudicar ainda mais o controle de Wall Street sobre as flutuações de ações. Seria mais fácil implementar para o próprio IPO da Robinhood, dada a forma como as empresas e seus executivos de bancos de investimento controlam rigidamente as alocações em novas listagens.

Atualmente, clientes da Robinhood e outros traders amadores não podem comprar ações de uma empresa até que as ações comecem a ser negociadas. Como os papéis costumam subir quando estreiam na bolsa, fundos que recebem alocações no IPO levam vantagem. A alta média no primeiro dia de negociação de empresas nos Estados Unidos em 2020 foi de 36%, segundo o provedor de dados Dealogic.

A Robinhood planeja dividir uma parte de suas ações em oferta em seu IPO para seus 13 milhões de usuários e usar a tecnologia que está montando para administrar essa parte da oferta, disseram as fontes.

Embora a tecnologia do Robinhood seja nova, o conceito de reservar compartilhamentos para usuários não é. A empresa de entrega de alimentos Deliveroo, apoiada pela Amazon, que anunciou planos este mês de se listar em Londres, faz isso, embora um provedor terceirizado esteja administrando o processo.

Mais inovadora é a ambição de Robinhood de permitir que usuários comprem direto em IPOs de outras empresas. Precisaria negociar acordos com empresas e suas corretoras e obter a aval dos reguladores dos EUA, dizem as fontes. A Robinhood poderia ter influência nas negociações, defendendo que atuaria como uma ponte entre o IPO e um grande pool de demanda dos investidores.

Não ficou claro que tipo de arranjos a Robinhood buscaria, e nenhuma certeza de que sua ambição se concretizará, disseram as fontes, que pediram anonimato. A Robinhood não quis comentar.

Na terça-feira, a Robinhood protocolou confidencialmente a papelada na Securities and Exchange Commission (SEC, reguladora do mercado de capitais dos EUA) para seu IPO. Embora a empresa ainda não tenha divulgado detalhes, a oferta pode acontecer nas próximas semanas e a avaliaria em até 50 bilhões de dólares, disseram as fontes.

(Por David French em Nova York e Anirban Sen em Bangalore)

((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447764))

REUTERS PAL AAP