Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.532,06
    +569,51 (+2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Roberto Simões deixará presidência da Braskem; Novonor indica Roberto Bischoff

Tanque em unidade de produção de cloro-soda da petroquímica Braskem em Maceió

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) -A Braskem disse nesta segunda-feira que Roberto Simões deixará o cargo de presidente da companhia a partir de 1° de janeiro de 2023 após cerca de três anos à frente da petroquímica. Ele também sairá do conselho de administração.

Às 11:25, as ações PNA da Braskem cediam 1,83, a 28,43 reais. Os papéis fazem parte do Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, que caía 0,05%.

A Novonor (antiga Odebrecht), acionista controladora da petroquímica, indicou Roberto Bischoff para substituir Simões no comando da Braskem, segundo fato relevante. A nomeação dele será formalmente submetida ao conselho de administração, colegiado no qual a Novonor tem a maioria das cadeiras.

Bischoff atuou por quatro décadas, até 2019, na Braskem, onde foi, entre outras funções, líder dos negócios na América Latina e presidente da joint venture mexicana Braskem Idesa. Ele é atualmente presidente da Ocyan, empresa do setor de óleo e gás controlada pela Novonor.

(Por Andre Romani; edição Alberto Alerigi Jr.)