Mercado fechará em 2 h 58 min
  • BOVESPA

    122.102,61
    +221,79 (+0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.265,79
    +46,53 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,36
    +0,99 (+1,51%)
     
  • OURO

    1.868,60
    +30,50 (+1,66%)
     
  • BTC-USD

    42.547,46
    -4.646,09 (-9,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.175,94
    -21,98 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.155,05
    -18,80 (-0,45%)
     
  • DOW JONES

    34.294,41
    -87,72 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.253,25
    -133,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3974
    -0,0066 (-0,10%)
     

Robô de mineração de 25 toneladas para de responder no fundo do Oceano Pacífico durante teste

·2 minuto de leitura
Robô Patania no Oceano Pacífico

(Reuters) - Um robô de mineração marinha que está sendo testado no Oceano Pacífico a uma profundidade de mais de 4 quilômetros parou de responder aos comandos, afirmou nesta quarta-feira a companhia belga que executa o teste.

A Global Sea Mineral Resources (GSR), a divisão de exploração em águas profundas do DEME Group, tem testado o robô Patania II, um protótipo de 25 toneladas, na área Clarion Clipperton desde 20 de abril.

O equipamento foi criado para coletar nódulos do tamanho de batatas ricos em cobalto e outros metais usados em baterias que ocorrem na região. Ele estava conectado a um navio da GSR por meio de um cabo de 5 quilômetros.

"Em seu mergulho na área da GSR, um ponto de sustentação se separou e o Patania II agora está parado no fundo do mar", afirmou um porta-voz da companhia. "Uma operação para reconectar o ponto começa nesta noite."

O teste da GSR está sendo acompanhado por cientistas independentes de 29 institutos europeus que vão analisar os dados e amostras coletadas pelo robô para medirem o impacto da atividade de mineração no leito oceânico.

Embora várias companhias e países tenham assinado contratos de exploração mineração no leito oceânico, a regulamentação da atividade ainda não foi finalizada pela Autoridade Internacional do Leito Marinho, um órgão da ONU.

Críticos da atividade, incluindo o ambientalista David Attenborough, afirmam que a mineração em solo oceânico tem um impacto ambiental desconhecido em grande parte. Google, BMW, AB Volvo e Samsung SDI apoiam um movimento de proibição de mineração no mar.

A doutora Sandra Schoettner, uma bióloga vinculada ao Greenpeace e especializada em grandes profundidades, afirmou: "Perder controle de uma máquina de 25 toneladas no fundo do Oceano Pacífico deveria servir para afundar a ideia de fazer mineração no leito marinho."

Um porta-voz da GSR afirmou que a companhia não perdeu controle sobre o Patania II.

(Por Helen Reid)