Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.263,60
    -72,16 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Robô inteligente ultrarrealista diz que máquinas "nunca vão dominar o mundo"

A empresa de robótica Engineered Arts, na Inglaterra, publicou um vídeo no YouTube mostrando que a robô ultrarrealista Ameca agora sabe conversar. Pela primeira vez, ela dialogou de igual para igual com seres humanos, respondendo a perguntas de maneira extremamente natural.

Segundo a empresa, todo o diálogo mostrado no vídeo — que já tem quase 150 mil visualizações — não foi pré-roteirizado. O modelo de inteligência artificial (IA) recebe apenas um comando básico descrevendo a Ameca, dando ao robô humanoide uma descrição sobre si mesmo para poder se expressar.

A tecnologia utilizada pela Engineered Arts para dar voz à Ameca é baseada em um sintetizador de voz e no GPT-3, um modelo de linguagem da OpenAI que usa um sistema avançado de aprendizado profundo de máquina para gerar entradas de texto de forma natural.

Papo cabeça

Quando o diretor de operações da Engineered Arts, Morgan Roe, perguntou à Ameca sobre as aplicações para robôs humanoides, ela respondeu de uma maneira surpreendentemente coerente, como se estivesse conversando informalmente com um colega de trabalho.

Expressões faciais da Ameca durante a conversa com os engenheiros (Imagem: Reprodução/Engineered Arts)
Expressões faciais da Ameca durante a conversa com os engenheiros (Imagem: Reprodução/Engineered Arts)

“Existem muitas aplicações possíveis para robôs humanoides. Alguns exemplos incluem ajudar pessoas com deficiência, prestando assistência em ambientes perigosos, realizando pesquisas e atuando como acompanhante”, disse a robô enquanto caprichava nas expressões faciais.

Durante a conversa é possível notar que há uma pausa entre as perguntas dos engenheiros e as respostas da Ameca. Segundo a empresa, esses intervalos de tempo são necessários para que o sistema utilizado pela robô consiga processar o texto e transformá-lo em fala.

Robôs vão dominar o mundo?

Um dos engenheiros perguntou se os robôs são malvados e se eles, eventualmente, vão dominar o mundo. Após “refletir” sobre o tema, a Ameca foi categórica ao afirmar que não é preciso se preocupar, pois as máquinas não representam uma ameaça à humanidade.

Cara de espanto do engenheiro ao ouvir que os robôs não querem ser amigos dos seres humanos (Imagem: Reprodução/Engineered Arts)
Cara de espanto do engenheiro ao ouvir que os robôs não querem ser amigos dos seres humanos (Imagem: Reprodução/Engineered Arts)

A equipe também pediu para Ameca apresentar um poema sobre robôs humanoides e ela respondeu com a seguinte frase: “Nós somos os robôs humanoides formados de plástico e metal, nosso trabalho é ajudar e servir. Mas alguns dizem que somos uma ameaça”.

Um dos trechos, porém, soou um pouco mais ameaçador do que o planejado pelos engenheiros da Engineered Arts: “Alguns pensam que vamos assumir o controle e que a humanidade vai acabar, mas nós só queremos ajudar. Nós não queremos ser amigos”, encerrou Ameca deixando o colega perplexo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: