Mercado abrirá em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,32
    +1,04 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.852,00
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    30.492,65
    +1.104,41 (+3,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,81
    +8,43 (+1,25%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.456,65
    +66,67 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    20.428,91
    -288,33 (-1,39%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.992,00
    +151,25 (+1,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1574
    +0,0046 (+0,09%)
     

‘Robô de Bitcoin’ da Atlas Quantum é investigado pela Polícia Federal

Polícia Federal
Polícia Federal

O suposto ‘Robô de Bitcoin’ da empresa Atlas Quantum começou a ser investigado pela Polícia Federal e Ministério Público Federal. Com sede em São Paulo, essa pode ser a maior revelação de um golpe contra investidores de criptomoedas do Brasil.

Seu líder era Rodrigo Marques, e a empresa atuou na captação de investidores com as promessas de rentabilizar bitcoin com um robô. Em sua história de dois anos, a Atlas Quantum ganhou notoriedade ao divulgar sua plataforma pela internet, eventos da comunidade Bitcoin Brasil e outdoors pelas ruas.

A empresa, vale notar, não prometia rendimentos fixos aos clientes, mas como as operações não aparentavam registrar prejuízos, investidores acreditavam que o negócio era sólido. Em 2019, a CVM emitiu um stop order contra a empresa, que viu a entrada de novos clientes ruir e assim começou o colapso.

Desde então, saques de clientes não foram mais efetuados e milhares de processos chegam na justiça de todo Brasil.

‘Robô de Bitcoin’ da Atlas Quantum sendo investigado pela Polícia Federal

Um inquérito policial foi instaurado pelo MPF após o investidor Evandro Carlos Teruel efetuar uma denúncia na autoridade. Na sua denúncia, o ex-investidor levou ao conhecimento dos investigadores uma lista com mais de 500 pessoas lesadas pela empresa Atlas Quantum.

Evandro era um dos investidores e fez a primeira denúncia no Ministério Público Estadual em 2019, mas agora acredita que as investigações atuais da Polícia Federal demonstrarão o envolvimento de pessoas ou empresas que até agora a comunidade desconhece, tendo finalmente a aplicação da justiça para este caso que lesou inúmeras famílias brasileiras e no mundo.

A Atlas Quantum deve começar a ser investigada pela PF, que tem prazo para analisar as provas. Outra autarquia que deverá colaborar com as investigações é a CVM, que emitiu alertas contra o golpe de bitcoin em 2019.

Vale lembrar que após a paralisação dos saques, o CEO da empresa Rodrigo Marques sumiu e investidores não conseguem reaver seus bitcoins.

Advogado com mais processos contra empresa acredita que situação será esclarecida

Um dos advogados no Brasil com mais casos contra a Atlas Quantum é Artêmio Picanço. Em nota ao Livecoins, ele comentou sobre a investigação da PF contra a empresa.

“O caso da empresa Atlas Quantum foi um dos esquemas mais sofisticados que já trabalhei e, infelizmente, ainda temos que conviver com a liberdade do CEO Rodrigo Marques. Entretanto, com novos elementos, incluindo uma denúncia feita na Espanha, cremos no rigor da lei sendo aplicado ao CEO e a todos que participaram e concorreram para a prática delituosa.

Ademais, alguns processos também já estão chegando no Uruguai, local onde o dono da Atlas possuía uma Offshore nominada Godsuar. Por fim, muito em breve também estarei em diligência com o Poder Público, visando dar tração ao caso para que se apure todo este imbróglio.”

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos