Mercado fechará em 16 mins
  • BOVESPA

    100.668,47
    -591,28 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.203,09
    -504,63 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,53
    -1,32 (-3,31%)
     
  • OURO

    1.905,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    12.973,24
    -176,78 (-1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,12
    -5,29 (-2,01%)
     
  • S&P500

    3.389,82
    -75,57 (-2,18%)
     
  • DOW JONES

    27.575,11
    -760,46 (-2,68%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.444,00
    -219,50 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6430
    -0,0209 (-0,31%)
     

Rivais de EUA se beneficiam de impasse da soja na Argentina

Jonathan Gilbert e Isis Almeida
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O aumento dos controles cambiais na Argentina tem impacto generalizado, desde a dívida corporativa até planos de assinatura da Netflix. Mas há beneficiários inesperados: esmagadores de soja dos Estados Unidos.

O banco central tenta impedir a queda das reservas em moeda forte com a restrição ao acesso a dólares. Ao mesmo tempo, as autoridades permitiram a proliferação de múltiplas taxas de câmbio, sendo que a taxa oficial controlada é muito mais forte do que as outras.

Nesse cenário, produtores de soja devem segurar a produção com a aposta na queda da taxa oficial e expectativa de receber mais pesos pelos grãos cotados em dólares. É um impasse que deve privar a gigantesca indústria de esmagamento argentina de matéria-prima, o que deve direcionar compradores de farelo e óleo de soja para processadoras americanas.

“A Argentina tem alguns desafios com os agricultores segurando a safra de soja como proteção contra a desvalorização da moeda”, disse o diretor financeiro da ADM, Ray Young, em conferência neste mês. “E assim o comprador global de farelo virá para os Estados Unidos no quarto trimestre.”

A soja mostra forte recuperação nas últimas semanas e é negociada perto do maior nível em mais de dois anos. Mas não é o suficiente em pesos para agricultores que ainda irão vender ou precificar contratos para 52% da safra encerrada em junho.

Para a próxima safra - que ainda não foi plantada e começa a ser colhida no fim de março -, foram vendidos menos de meio milhão de toneladas até 16 de setembro, ou cerca de 1% da produção prevista. Na mesma fase do ano passado, a proporção era de 4,6%.

“Houve muito poucas vendas nos últimos meses, e a nova temporada está lenta”, disse Agustín Tejeda, economista-chefe da Bolsa de Grãos de Buenos Aires. “O incentivo de preço existe, mas a taxa de câmbio está segurando os agricultores.”

A oferta apertada é uma má notícia para esmagadores de sementes oleaginosas na Argentina - como Glencore, Bunge e Cargill -, cujas unidades de exportação se localizam ao longo do Rio Paraná. O processamento de soja provavelmente diminuirá em 3 milhões de toneladas na temporada 2020-21, enquanto as exportações líquidas deverão cair em 4 milhões de toneladas, de acordo com a consultoria Oil World, de Hamburgo.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.