Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.350,72
    -81,66 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Rita Serrano é nomeada presidente da Caixa

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Maria Rita Serrano foi nomeada oficialmente como nova presidente da Caixa Econômica Federal. A confirmação veio em edição extra do DOU (Diário Oficial da União) nesta segunda-feira (9), que trouxe, ainda, a exoneração de Daniella Marques do cargo.

A escolha por Serrano foi divulgada no dia 30 de dezembro de 2022 pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), em nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No mesmo dia, o titular da pasta econômica também comunicou que Tarciana Medeiros comandará o Banco do Brasil. A nomeação dela, contudo, ainda não foi oficializada.

Serrano é a quarta mulher a presidir a Caixa. Antes dela, o cargo foi ocupado por Miriam Belchior (secretária-executiva da Casa Civil), Maria Fernanda Coelho (secretária-executiva da Secretaria Geral da Presidência) e sua antecessora, Daniella Marques.

A nova presidente é funcionária da Caixa há 33 anos e ocupou diversos cargos na instituição. Atua como representante dos funcionários no conselho administrativo, para o qual foi eleita pela primeira vez em 2017.

No último pleito para o conselho, em 2022, Serrano foi reeleita em primeiro turno para o terceiro mandato, com 91% dos votos válidos, concorrendo com mais de 30 candidatos.

Natural de Santo André (SP), ela é graduada em estudos sociais e história, com mestrado em administração pela Universidade de São Caetano do Sul.

Após sua indicação, em dezembro, a escolhida para comandar a Caixa disse, em nota, que a nova gestão terá como desafios reorganizar o banco para a execução de programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida.

Serrano falou ainda na humanização das relações de trabalho e na realização de parcerias com estados e municípios para o desenvolvimento de projetos de infraestrutura. "É preciso promover a inclusão bancária da população e avançar em tecnologia para oferecer melhores serviços para atendimento aos clientes", complementou.

A escolha por Serrano é vista com bons olhos por ex-funcionários do banco. Há a percepção, segundo fontes ouvidas pela reportagem, de que, como conselheira, ela teve um papel destacado nas denúncias de assédio sexual envolvendo o ex-presidente Pedro Guimarães.

Antes de ser oficialmente nomeada, a nova presidente da Caixa publicou em suas redes sociais, em 4 de janeiro, ter realizado "duas importantes reuniões de trabalho" com membros do primeiro escalão do governo Lula. Um dos encontros foi com Haddad e outro com os ministros Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e Jader Filho (Cidades).