Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.311,75
    -85,55 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Riscos do setor imobiliário da China podem ser contidos, diz FMI

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A China deve ser capaz de limitar o impacto econômico das tensões financeiras enfrentadas por incorporadoras imobiliárias, mas precisa intensificar o apoio fiscal à economia em desaceleração, disse o Fundo Monetário Internacional.

Most Read from Bloomberg

Os riscos para a previsão do FMI de crescimento de 8% na China este ano e de 5,6% em 2022 “estão se acumulando” devido a fatores como “incerteza sobre a pandemia” e consumo fraco, disse o FMI em comunicado após a divulgação de uma pesquisa anual sobre a segunda maior economia.

A expansão da China se desacelerou nos últimos meses para o ritmo mais lento desde 1990, em grande parte devido às restrições ao financiamento para incorporadoras. Mas o FMI avalia que o impacto econômico no mercado imobiliário, que levou incorporadoras como a China Evergrande à beira da recuperação judicial, será limitado.

Segundo o FMI, as autoridades têm as ferramentas para manter a crise sob controle, “então não há razão para que esse risco se amplie ou tenha ramificações no nível macro para a demanda e investimento habitacional”, disse Helge Berger, chefe da missão para a China e diretor-assistente do Departamento da Ásia e Pacífico, em entrevista à Bloomberg News.

Os gastos públicos da China caíram este ano em relação a 2020, o que limitou o crescimento econômico, já que as autoridades focam em reduzir a dívida de governos locais. Além disso, os principais elementos da política monetária, como taxas de juros, permanecem inalterados desde o ano passado.

“A política fiscal, que tem sido significativamente contracionista neste ano, deve mudar temporariamente para uma posição neutra e se concentrar no fortalecimento da proteção social e na promoção de investimentos verdes”, disse Geoffrey Okamoto, vice-diretor-gerente do FMI.

Como a inflação ao consumidor está baixa e a economia ainda mostra “ociosidade significativa”, “a política monetária deve ser acomodatícia, o que também apoiará o esforço fiscal”, acrescentou.

O FMI também pediu que a China aumente a distribuição de vacinas domésticas para outros países.

“A China pode ajudar a acabar com a crise pandêmica e garantir uma recuperação inclusiva e verde com a continuidade da distribuição de vacinas contra a Covid-19”, disse Okamoto. Relatórios detalhados da pesquisa do FMI na China serão divulgados posteriormente.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos