Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,03
    -0,17 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.825,00
    +11,00 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    30.083,28
    -981,22 (-3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    674,24
    +431,56 (+177,83%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.592,11
    +45,06 (+0,17%)
     
  • NASDAQ

    12.289,75
    +45,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2688
    -0,0117 (-0,22%)
     

Riscos para a venda da Eletrobras aumentam com atraso no TCU

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O governo enfrenta uma batalha difícil para privatizar a Eletrobras, com mais um atraso no processo de capitalização que aproximou a venda potencial da empresa da eleição presidencial de outubro.

O ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU), pediu nesta quarta-feira mais tempo para analisar a venda. O tribunal concedeu a ele 20 dias para fazê-lo, menos do que os dois meses que ele havia solicitado, mas o suficiente para reduzir drasticamente as chances de a privatização acontecer no primeiro semestre de 2022.

O plano do governo de Jair Bolsonaro inclui um aumento de capital no qual a participação do Estado na Eletrobras será diluída, efetivamente abrindo mão do controle da empresa, mas mantendo alguns direitos de veto. Autoridades do governo esperam que a venda arrecade cerca de R$ 67 bilhões.

Com o atraso, a empresa precisará adicionar seus resultados do primeiro trimestre de 2022 ao prospecto que precisa ser apresentado aos reguladores do Brasil e dos EUA, aproximando a venda do período eleitoral. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o favorito na corrida presidencial, já criticou a privatização, prometendo cancelá-la se for eleito.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos