Mercado abrirá em 5 h 18 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,13
    +0,68 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.742,20
    -9,80 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    41.941,96
    -1.863,07 (-4,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.038,37
    -63,15 (-5,73%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.039,65
    -23,75 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    24.513,04
    +304,26 (+1,26%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    15.020,50
    -174,25 (-1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2839
    -0,0229 (-0,36%)
     

Riscos para crescimento abalam metais e derrubam minério e cobre

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os contratos de minério de ferro despencaram e o cobre caiu para uma mínima de quatro meses em meio às crescentes preocupações com a produção de aço na China, os riscos para o crescimento global e a perspectiva de redução do estímulo nos Estados Unidos.

O minério de ferro acelerou as perdas nesta semana, e os futuros caíram 12% em Singapura, para a menor cotação desde dezembro. A desvalorização é motivada por expectativas de que a produção e o consumo de aço chinês vão diminuir no resto do ano, em parte devido às medidas para reduzir a poluição. Os preços acumulam baixa de mais de 40% em relação ao recorde alcançado há apenas três meses.

Os mercados de metais também são pressionados pela expectativa de que o Federal Reserve possa em breve começar a reduzir o enorme estímulo que ajudou a elevar os preços no último ano, bem como pelos riscos da variante delta do coronavírus, que se espalha rapidamente. Dados mais fracos nos EUA e na China recentemente reforçaram a percepção de que a recuperação econômica global está perdendo força.

Essas preocupações empurraram o cobre abaixo de US$ 9.000 a tonelada na quinta-feira, e o estanho se desvalorizou 11% com a queda de todos os metais básicos. Ações do setor de mineração também foram afetadas: BHP, Rio Tinto, Glencore e Antofagasta chegaram a cair mais de 3%. O petróleo também perdeu terreno, sendo negociado abaixo de US$ 65 o barril, a menor cotação desde maio.

“A recente desaceleração dos números macro chineses, a propagação da Covid-19 na China e agora também um dólar ainda mais forte são riscos potenciais que, no curto prazo, podem desafiar as perspectivas altistas de longo prazo para o cobre”, disse Ole Hansen, chefe de estratégia de commodities do Saxo Bank.

A ata do Fed divulgada na quarta-feira mostrou que a maioria das autoridades do banco central dos EUA estava de acordo com a possibilidade de desacelerar o ritmo de compras de títulos no fim deste ano devido ao avanço rumo às metas de inflação e de emprego, o que favorece o dólar e reduz o apelo das commodities.

Na Bolsa de Metais de Londres, o cobre chegou a cair 2,8%, para US$ 8.786,50 a tonelada às 10h16 no horário local. O metal, considerado um termômetro da economia, atingiu máxima histórica de mais de US$ 10.700 em maio.

Ferro e aço

A China tem repetidamente instado siderúrgicas a limitarem a produção para reduzir a poluição, e o menor volume produzido em julho sinaliza que as medidas começam a fazer efeito. Alguns grandes produtores já tomaram providências para reduzir a oferta, enquanto a gigante de mineração BHP disse esta semana que a crescente probabilidade de cortes severos da produção no segundo semestre “testa a resolução altista dos mercados de futuros”.

O minério de ferro caiu 12%, para US$ 131,40 a tonelada em Singapura, enquanto os futuros em Dalian perderam 7%.

“O minério de ferro continua sendo a commodity mais centrada na China, então, quando a atividade econômica desacelera, o vírus se espalha e as linhas de suprimento são interrompidas, o minério de ferro está na linha de fogo”, disse Hansen.

A perdas do minério de ferro atingiram os preços do aço, que também caíram devido às expectativas de demanda mais fraca na China. Com as medidas do país para controlar o mercado imobiliário e segurar a inflação, os preços dos imóveis subiram no ritmo mais lento em seis meses.

“Os preços do aço ao redor do mundo começam a esfriar como esperávamos e mantemos nossa visão de que haverá uma maior desaceleração das cotações no restante de 2021 e em 2022, à medida que a demanda chinesa da indústria de construção enfraquece”, disse a Fitch Solutions em relatório.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos