Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.453,23
    +589,06 (+2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Riscos de cibersegurança levam a recorde de vendas de armazenamento em fita

Um método relativamente arcaico de armazenamento atingiu novos recordes de vendas em 2021, enquanto os riscos de cibersegurança aumentavam e as empresas se preocupavam com vazamento. O armazenamento em fita, inventado nos anos 1950 e comuns até o início da década de 1990, teve crescimento de 40% no ano passado.

Aqui, mais especificamente, estamos falando de um formato chamado Linear Tape-Open (LTO), lançado nos anos 1990 e de patente aberta, sendo fabricado por empresas como JBM, HP Enterprise e Quantum. De acordo com dados da organização que regula a tecnologia, foram 148 exabytes (ou 148 milhões de TBs) de cartuchos de fita vendidos em 2021, enquanto as corporações buscam por sistemas de armazenamento que não precisem estar conectados à internet e disponíveis o tempo todo.

O volume ultrapassa o recorde anterior, de 2019, com 114 exabytes e, também, o registrado em 2020, quando 105 exabytes de armazenamento em fita foram comercializados em todo o mundo; é o maior aumento anual registrado pela tecnologia desde 2006. Os dados da LTO não trazem a divisão por fabricante, mas indicam uma tendência de mercado, na medida em que as empresas geram cada vez mais dados e se preocupam com sistemas confiáveis, de baixo custo e, principalmente, seguros.

Fita do tipo Linear Tape-Open (Reprodução/KindPNG/Isuru Malsiri)
Fita do tipo Linear Tape-Open (Reprodução/KindPNG/Isuru Malsiri)

A busca é pelo que é chamado, em Tecnologia da Informação, de air-gap. A tradução literal, "lacuna de ar", dá uma boa ideia da tecnologia, que permanece desconectada da internet e inacessível por meio da rede, servindo, por exemplo, como uma boa maneira de armazenar backups diários e garantir recuperação completa em caso de ataques de ransomware, deixando as cópias de segurança longe de possíveis ataques criminosos.

“As fitas magnéticas são uma tecnologia comprovada, estabelecida e entendida [pelos especialistas] como uma ferramenta indispensável para combater sequestros digitais”, afirma Phil Goodwin, vice-presidente de pesquisas da IDC. Na visão ele, o baixo custo e a desconexão do armazenamento garante o atingimento de boas práticas de segurança digital.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos