Mercado fechará em 32 mins
  • BOVESPA

    107.740,81
    -3.698,55 (-3,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.502,50
    -805,21 (-1,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,35
    -1,62 (-2,25%)
     
  • OURO

    1.762,90
    +11,50 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    43.030,88
    -4.632,75 (-9,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.069,81
    -64,58 (-5,69%)
     
  • S&P500

    4.322,73
    -110,26 (-2,49%)
     
  • DOW JONES

    33.738,45
    -846,43 (-2,45%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.813,25
    -512,75 (-3,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2771
    +0,0777 (+1,25%)
     

Riscos de ciberataques corporativos no Brasil são maiores do que a média global

·2 minuto de leitura

A chance geral de usuários corporativos serem atingidos por ameaças cibernéticas para computadores aumentou 24% (de 11,25% para 13,9%) em todo o mundo em um ano. A conclusão é do Relatório de Risco Global para PC mais recente da Avast, que analisa ameaças bloqueadas pela companhia de 16 de março de 2021 a 14 de abril de 2021 em relação ao mesmo período de 2020.

De acordo com o levantamento, no Brasil, essa probabilidade é ainda maior: 17,52%. O relatório inclui dados de países, territórios e regiões com pelo menos 10 mil computadores pertencentes a usuários domésticos que foram expostos a ameaças durante o período da amostra e pelo menos mil computadores usados por empresas.

A análise considera ameaças totais e avançadas para determinar a taxa de risco. Já a taxa de risco avalia a quantidade de computadores em que as camadas de proteção da Avast interromperam pelo menos uma ameaça em relação ao número total de equipamentos que a solução protegeu proativamente.

Imagem: Reprodução/Divulgação/PXfuel
Imagem: Reprodução/Divulgação/PXfuel

Influência da pandemia

Um dos motivos para o aumento global foi a chegada da pandemia de COVID-19, que permitiu que as equipes passassem rapidamente a trabalhar em casa. “Nem todas as empresas foram preparadas com VPNs corporativas seguras e soluções de acesso remoto. Os cibercriminosos se aproveitam disso”, comenta Michal Salat, diretor de inteligência de ameaças da companhia.

Salat destaca que os especialistas da Avast observaram aumento do abuso do protocolo de trabalho remoto. “E, nesse cenário, os ataques de ransomware se tornarem mais prevalentes."

O documento analisa, ainda, o risco de ameaças avançadas (mais sofisticadas ou nunca vistas antes) atingirem as empresas. Elas buscam contornar as tecnologias de proteção comuns dos softwares de segurança. Para essas ameaças, usuários corporativos no Brasil tinham taxa de risco de 3,43% contra os 2,29% da média global.

Cenário global

Aparentemente, as geografias com situações sócio-políticas mais conflituosas enfrentam mais riscos no ambiente online. Veja, a seguir a lista dos 10 países em que os usuários corporativos correm mais riscos.

Todas as ameaças

Ameaças avançadas

10 países com maior risco para usuários corporativos

10 países com maior risco para usuários corporativos

1 – Armênia (39,75%)

1 – Armênia (18,75%)

2 – China (35,66%)

2 – Vietnã (17,82%)

3 – Vietnã (35,48%)

3 – China (8,85%)

4 – República da Coreia (32,61%)

4 – Bangladesh (8,35%)

5 – República Unida da Tanzânia (30,98%)

5 – Eslovênia (8,15%)

6 – Croácia (30,02%)

6 – República da Coreia (7,10%)

7 – Bangladesh (29,89%)

7 – Gana (6,17%)

8 – Taiwan (29.25%)

8 – República Unida da Tanzânia (5,54%)

9 – Indonésia (29,21%)

9 – Filipinas (4,57%)

10 – Hong Kong (29,09%)

10 – Nigéria (4,44%)

Países nórdicos, das Europas Central e Ocidental, Estados Unidos, Letônia e República Dominicana estão entre os mais seguros.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos