Mercado fechará em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    111.765,30
    +2.983,15 (+2,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.299,52
    -781,81 (-1,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,32
    +1,08 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.763,80
    +8,50 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.388,54
    +124,37 (+0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,88
    -1,84 (-0,47%)
     
  • S&P500

    3.954,57
    -9,37 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    33.795,19
    -54,27 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.520,25
    -96,00 (-0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4718
    -0,0774 (-1,39%)
     

Riscos à estabilidade financeira da zona do euro estão aumentando, alerta BCE

Placa com logotipo do Banco Central Europeu em frente ao edifício da instituição, em Frankfurt, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - Os riscos para a estabilidade financeira da zona do euro estão aumentando à medida que a economia caminha para uma possível recessão, disse o Banco Central Europeu nesta quarta-feira, alertando que famílias, empresas e governos endividados correm um risco particular.

O aumento dos custos de energia elevou a probabilidade de uma recessão para 80% e o salto nos juros destinado a conter a aceleração dos preços já está alimentando a volatilidade do mercado e os custos mais altos do serviço da dívida.

"Os riscos para a estabilidade financeira na zona do euro aumentaram diante do aumento nos preços de energia, da inflação alta e do crescimento econômico baixo", disse o BCE em sua Revisão de Estabilidade Financeira semestral. “Todas essas vulnerabilidades podem se desdobrar simultaneamente, potencialmente reforçando umas às outras”.

O setor bancário do bloco é geralmente considerado resiliente, pois construiu capital ao longo dos anos e desfruta de um aumento na lucratividade com a elevação dos juros.

Mas há potencial para problemas de longo prazo, já que os desafios econômicos afetam a renda, o que pode limitar a capacidade dos mutuários de pagar a dívida. Os credores também enfrentam custos mais altos e menor crescimento dos empréstimos à medida que as perspectivas econômicas se deterioram.

"Embora o setor bancário tenha visto recentemente uma recuperação na lucratividade com o aumento dos juros, há sinais incipientes de deterioração da qualidade dos ativos, o que pode exigir provisões maiores", acrescentou o BCE.

Somando-se à lista de preocupações, a capacidade dos governos de manter os gastos também é bastante limitada e muitos estão fornecendo amplo apoio às famílias para cobrir os aumento dos custos de energia, criando "bolsões" de preocupações com a sustentabilidade da dívida.

(Reportagem de Balazs Koranyi)