Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,17
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.746,70
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    44.854,71
    +1.346,80 (+3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.124,30
    +15,38 (+1,39%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    30.122,28
    +482,88 (+1,63%)
     
  • NASDAQ

    15.313,00
    +9,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2278
    +0,0028 (+0,04%)
     

Risco de trombose é muito menor após a vacina que com a covid, afirma estudo

·2 minuto de leitura
Frascos da vacina AstraZeneca contra a covid-19 (AFP/Johan ORDONEZ)

O risco de desenvolver trombose coágulos sanguíneos é muito menor depois de tomar a vacina contra a covid-19 que ao contrair a doença, afirma o maior estudo desenvolvido até o momento sobre os efeitos colaterais relacionados com a vacinação.

O estudo britânico, publicado no British Medical Journal (BMJ), comparou os dados médicos de 29 milhões de pessoas que receberam a primeira dose das vacinas Pfizer-BioNtech ou Oxford-AstraZeneca entre dezembro de 2020 e abril de 2021 com as informações de quase dois milhões de pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus.

A preocupação com a trombose freou o uso da vacina AstraZeneca, mas o estudo descobriu que, embora exista um "risco maior" de desenvolvê-las após a vacina, este é "muito menor que o associado à infecção por SARS-CoV-2".

O risco de desenvolver uma trombose venosa é quase 200 vezes maior com a covid-19 (12.614 casos adicionais entre 10 milhões de pessoas) que com a AstraZeneca (66 casos adicionais).

Quanto à trombose arterial, não foi registrado um excesso de casos para nenhuma das duas vacinas, mas foram contabilizados 5.000 casos adicionais entre 10 milhões de pessoas infectadas com a covid-19.

Desta maneira, as pessoas com o vírus têm 11 vezes mais probabilidades de sofrer um derrame (1.699 casos adicionais a cada 10 milhões de pessoas) que as vacinadas com a Pfizer (143 casos adicionais).

"A imensa maioria dos pacientes está perfeitamente bem com estas vacinas", declarou à BBC a cientista que coordenou o estudo, Julia Hippisley-Cox, antes de afirmar que os "raríssimos casos" de coágulos sanguíneos devem ser "colocados em contexto".

A professora de Epidemiologia de Oxford também destacou que o aumento do risco de desenvolver coágulos sanguíneos se concentra em períodos mais "específicos e curtos" com as vacinas ("de 15 a 21 dias depois da administração" com a Pfizer para o AVC, "de 8 a 14 dias para a trombocitopenia com a AstraZeneca") que após o contágio de covid-19, quando o risco se prolonga "por mais de 28 dias após o contágio".

O estudo foi divulgado depois que muitos países - incluindo o Reino Unido - decidiram reservar a vacina da AstraZeneca para a população mais velha, devido ao temor de trombose.

O Serviço de Saúde Pública inglês calcula que as vacinas salvaram mais de 100.000 vidas no Reino Unido, onde a pandemia provocou 132.000 mortes.

cdu-acc/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos