Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.089,97
    +113,71 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,20 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4979
    +0,0325 (+0,59%)
     

Risco de estagflação assombra mundo abalado pela guerra

(Bloomberg) -- A economia mundial sucumbe cada vez mais à ameaça de estagflação que lembra a crise da década de 70, uma dor de cabeça crescente para as autoridades financeiras globais que já lidam com as consequências da guerra na Ucrânia.

Com a economia da China se desacelerando e o Federal Reserve intensificando seu compromisso de derrotar a inflação, aumentam as preocupações de um pouso forçado generalizado. Os ministros de finanças e banqueiros centrais do G7, reunidos na Alemanha, indicam uma preocupação de que a estagflação não possa mais ser evitada.

“A guerra na Ucrânia teve implicações adicionais para a economia”, disse o ministro das finanças alemão Christian Lindner, anfitrião do encontro, a repórteres na quinta-feira. “Isso significa um aumento na inflação, juntamente com uma perda de impulso de recuperação pós-pandemia. É por isso que teremos que discutir o que podemos fazer para evitar cenários de estagflação.”

Na quarta-feira, sua colega dos EUA, a secretária do Tesouro americano Janet Yellen, disse que “os preços mais altos de alimentos e energia têm efeitos estagflacionários, ou seja, deprimem produção e gastos e aumentam a inflação em todo o mundo”.

Essa combinação nociva tripla de inflação alta, crescimento estagnado e desemprego crescente é o pior cenário para banqueiros centrais e legisladores, que terão que escolher qual doença combater.

Após passar 2021 apostando que a inflação desapareceria, os formuladores de política monetária agora sinalizam que os preços são sua principal preocupação, mesmo que essa batalha reduza a demanda e as contratações.

Embora as perspectivas de uma recessão global permaneçam baixas, pelo menos este ano, o ritmo dos eventos pega os formuladores de políticas e os investidores desprevenidos, à medida que os mercados financeiros caem e as previsões de crescimento continuam sendo revisadas para baixo.

A semana passada revelou a escala da desaceleração, após dados da China para abril mostrarem que a atividade de consumidores e negócios estagnou em meio à política agressiva de Covid Zero do governo.

O Japão, a economia número 3 do mundo, encolheu no primeiro trimestre, com o aumento dos custos de importação inflacionados por um iene mais fraco.

Nos EUA, o presidente do Fed Jerome Powell disse que continuaria aumentando juros até que haja evidências “claras e convincentes” de que a inflação está recuando.

Enquanto isso, a alta de preços no Reino Unido atingiu uma máxima de 40 anos, e o governador do Banco da Inglaterra, André Bailey, alertou que um aumento nos custos dos alimentos pode ter consequências “apocalípticas” em escala global.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.