Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.801,50
    +1.437,32 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Risco Covid sobe se embarque no avião ocorre de trás para frente

Angus Whitley
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O embarque de passageiros a partir daqueles que têm assentos na parte traseira da aeronave - uma mudança na era Covid feita por Delta Air Lines e outras companhias aéreas com a intenção de reduzir o risco de infecção - na verdade aumenta em 50% a chance de se contrair o vírus, segundo um estudo científico.

O chamado ‘back-to-front boarding‘ - embarque de trás para a frente do avião - também é duas vezes mais arriscado do que deixar os passageiros embarcarem aleatoriamente, embora reduza a exposição entre os passageiros sentados e os que estão caminhando dentro da aeronave, de acordo com o estudo publicado nesta quarta-feira no jornal Royal Society Open Science. O maior risco vem do contato mais próximo entre os passageiros de mesmas fileiras que se aglomeram no corredor enquanto guardam suas bagagens.

A Delta adotou o embarque de trás para frente do avião para “minimizar o contato com outros clientes”, de acordo com seu site, embora a companhia aérea dos EUA embarque apenas 10 passageiros por vez. A mudança ocorreu entre várias empresas em todo o setor - incluindo o bloqueio dos assentos do meio da aeronave - para convencer os passageiros de que é seguro voltar a viajar de avião.

No estudo, cientistas de instituições como a University of West Florida e a Florida State University simularam 16.000 movimentos possíveis de passageiros. “As novas medidas não representam uma melhora em relação às antigas em nenhuma situação”, segundo eles. A assessoria de imprensa da Delta não respondeu a um e-mail pedindo comentários.

O risco de exposição ao vírus pode ser reduzido se as pessoas forem impedidas de usar os compartimentos superiores de armazenamento de bagagem e se o embarque começar por aqueles cujos assentos estejam junto às janelas, antes daqueles com assentos de corredor, de acordo com o estudo.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.