Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.955,32
    -784,70 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Riot Games é acusada de atrapalhar investigações de assédio

·2 minuto de leitura

A Riot Games, responsável por jogos como League of Legends e Valorant, está sendo acusada pelo DFEH (Departamento de Emprego e Habitação Justos da Califórnia, em tradução livre) de atrapalhar as investigações internas de discriminação de gênero e assédio sexual.

A empresa foi processada em 2019, pelo mesmo departamento que processou a Activision Blizzard em julho. Segundo o DFEH, a Riot não avisou seus funcionários sobre o direito deles de falarem com o governo sobre possíveis abusos.

Riot teria enganado funcionários em acordos

Sede da Riot Games em Los Angeles, na Califórnia (Foto: Divulgação/Riot Games)
Sede da Riot Games em Los Angeles, na Califórnia (Foto: Divulgação/Riot Games)

Em 2018, uma reportagem do Kotaku afirmou que as mulheres que trabalhavam na Riot Games eram assediadas e discriminadas constantemente por conta do seu gênero. Após a publicação da matéria, uma ação coletiva foi aberta contra a empresa.

Em 2019, as partes fizeram um acordo, e o processo também foi arquivado. Na época, a Riot pagou US$ 10 milhões (cerca de R$ 50 milhões, em conversão direta) aos envolvidos — o DFEH afirma que o valor poderia ter sido mais de US$ 400 milhões (mais de R$ 2 bilhões).

O problema é que, segundo o departamento, os acordos “sugeriam que os funcionários não poderiam falar de maneira voluntária e aberta com o governo sobre assédio sexual e outras violações”; ou seja, a Riot teria enganado os colaboradores de propósito, para que eles não contribuíssem com as investigações.

Por isso, o DEFH pediu, em junho deste ano, que a empresa fosse obrigada a informar seus funcionários sobre o direito de conversar com o órgão e contribuir com as investigações. A Justiça aceitou o pedido e intimou a Riot a fazer isso; porém, a empresa ainda não o fez.

Vale lembrar que, neste ano, o CEO da empresa, Nicolas Laurent, também foi acusado de assédio sexual por uma assistente. Segundo o jornal The Washington Post, o caso foi investigado por um comitê externo contratado pela companhia, e o executivo foi inocentado.

O que a Riot Games diz

A Riot enviou uma declaração à imprensa, informando que está enviando avisos “a ex-funcionários para confirmar que os acordos rescisórios da Riot nunca proibiram de forma alguma a falar com agências do governo”. A empresa também afirmou que “nunca retaliou e nunca retaliará ninguém por falar com qualquer agência governamental”.

O texto ainda ressalta que a empresa utilizou uma citação padrão no documento, presente em todos os acordos de demissão: “Nada neste acordo proíbe você de relatar possíveis violações de leis ou regulamentos federais ou estaduais a qualquer agência ou entidade governamental”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos