Mercado fechará em 5 h 45 min
  • BOVESPA

    109.533,04
    +418,88 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.073,36
    +264,80 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,92
    +2,21 (+2,88%)
     
  • OURO

    1.642,90
    +9,50 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    20.159,88
    +996,65 (+5,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,89
    +1,75 (+0,38%)
     
  • S&P500

    3.681,37
    +26,33 (+0,72%)
     
  • DOW JONES

    29.408,05
    +147,24 (+0,50%)
     
  • FTSE

    7.013,15
    -7,80 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.434,00
    +117,75 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1577
    -0,0217 (-0,42%)
     

Rios em todo mundo secam em risco para comércio, safras, energia

(Bloomberg) -- Rios em todo o mundo estão desaparecendo.

Dos EUA à Itália e à China, os volumes fluviais têm encolhido, muitas vezes deixando para trás nada além de leitos estéreis de lodo. Canais se esvaziam. Reservatórios viraram pó.

O mundo está em vias de acelerar as mudanças climáticas, e isso tem um profundo impacto econômico. Perder vias navegáveis significa um sério risco para rotas comerciais, agricultura, fornecimento de energia - e até mesmo água potável.

Rios que foram críticos para o comércio durante séculos estão agora murchos, ameaçando o transporte global de produtos químicos, combustíveis, alimentos e outras commodities.

O Reno — um pilar das economias alemã, holandesa e suíça — ficou muitas vezes praticamente intransitável nas últimas semanas. O Danúbio, que serpenteia por 2.900 quilômetros através da Europa Central até o Mar Negro, também está comprometido. O comércio nos rios e canais da Europa contribui com cerca de US$ 80 bilhões para a economia da região apenas como forma de transporte.

Na China, um verão extremo afetou o rio mais longo da Ásia, o Yangtzé. Níveis de água baixos prejudicaram a geração em muitas usinas hidrelétricas importantes. Megacidades, incluindo Xangai, estão desligando as luzes para reduzir o uso de energia e a Tesla alertou sobre interrupções na cadeia de suprimentos de sua fábrica local. A Toyota e a Contemporary Amperex Technology, maior fabricante mundial de baterias para veículos elétricos, fecharam fábricas.

A seca que assola o Rio Colorado — uma fonte de água para 40 milhões de pessoas entre Denver e Los Angeles - ficou tão extrema que uma segunda rodada de cortes drásticos de água está atingindo o Arizona, Nevada, e México. O rio e seus afluentes irrigam cerca de 4,5 milhões de acres de terra, gerando cerca de US$ 1,4 trilhão por ano em benefícios agrícolas e econômicos.

O recuo de águas no sudoeste dos EUA está expondo cadáveres e pegadas de dinossauros que ficaram submersos por talvez milhões de anos.

As razões pelas quais os rios vêm secando em todo o mundo são complexas. Há o impacto da La Niña, secas prolongadas em muitas regiões e também simples azar. Mas o maior impulsionador é a mudança climática.

“É uma combinação de muitos fatores que levam a esse evento particularmente extremo”, disse Daniel Swain, climatologista da Universidade da Califórnia em Los Angeles. “Mas há claramente um papel das mudanças climáticas, que tornaram mais prováveis várias ondas de calor sem precedentes”.

O aumento das temperaturas da Terra levam cordilheiras a receberem menos neve, deixando menos água fluir para córregos no verão durante o degelo, disse Isla Simpson, cientista do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica em Boulder, Colorado.

A neve da montanha é o reservatório da natureza. Quando as nevascas diminuem, a fonte de muitos rios – dos EUA à China, da Europa ao Oriente Médio – desaparece, disse Swain, da UCLA.

“A perda de neve e geleiras nos Alpes também foi extraordinária neste verão, chocando até climatologistas e glaciologistas experientes”, disse Swain.

E tem a La Niña, um resfriamento do Oceano Pacífico equatorial que perturba os padrões climáticos globais, trazendo fortes chuvas para algumas áreas e seca para outras. O mundo está em sua segunda La Niña consecutiva, e as chances estão aumentando de que em 2023 virá outra.

“A La Niña forte e contínua conecta as secas e os baixos fluxos dos rios na América do Norte, Europa, Oriente Médio e hemisfério sul”, disse Richard Seager, professor de pesquisa do observatório Lamont Doherty da Columbia University.

As temperaturas mais altas do planeta também significam que as vias navegáveis estão literalmente evaporando.

Ou, como diz Seager, o aquecimento da atmosfera “está sugando mais umidade da superfície da terra”.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.