Mercado fechará em 4 h 38 min

O Rio continua lindo

A Arena Nilton Santos continua linda FOTO: Buda Mendes/Getty Images

“Protocolo bom é o que respeita vidas”.

Foi assim que o Botafogo entrou em campo para enfrentar a Cabofriense no retorno precipitado e atabalhoado à Taça Rio.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Teve minuto de silêncio às vitimas. E depois os possíveis 90 minutos de silêncio e, claro, não se esperava muito futebol, de equipes limitadas e ainda mais limitadas pela preparação que não foi a ideal. Também pelo atropelo da Ferj.

Leia também:

Mas o jogo foi melhor e mais animado do o esperado. Mérito de quem estava em campo. Só deles pelo ótimo 6 a 2 visto na Arena Nilton Santos.

O Botafogo de lindíssimo uniforme negro como o espírito e o sentimento. Também de protesto pela punição ao cidadão Paulo Autuori, seu treinador. Das pessoas mais sérias que conheci não apenas no futebol. Na vida. Exemplo de cidadão em um mundinho imundo.

Jogadores do Botafogo protestaram durante entrada em campo contra a Cabofriense. Foto: Thiago Ribeiro/AGIF

Botafogo de sérias dificuldades há anos por deméritos próprios. Mas solidário como sua estrela cada vez mais solitária como os atletas foram com 1min48s ao se ajoelharem no protesto Black Lives Matter.

Lindo. Como foi o lance que deu no gol que Luis Henrique serviu ao perigoso Pedro Raul marcar de carrinho, aos 3 minutos. Como foram muitos dos seis gols marcados pelo Fogão.

O jogo, repito, foi melhor do que o esperado e esperneado. Com razão. Os Luíses voando pelos lados com o inteligente Pedro Raul, lançados em bolas longas, pareciam não ter sentido a parada pandêmica.

Mas para um elenco como o do Botafogo que voltou a treinar a apenas sete dias, claro que o jogo era um absurdo.

Voltando a campo, o improviso pode dar samba com Cícero como zagueiro. Tempo de bola pelo alto excepcional (apesar do lance dol go da brava Cabofriense, técnica e experiência para sair jogando... Quem sabe?

Certamente mais do que quem deveria saber ao menos do mínimo.

Tinha como voltar a campo. Mas não tinha como ser como foi.

Honda merecia a atenção das autoridades semelhante àquela recebida pela torcida do Botafogo. Se não brilhou, e ninguém pode exigir nada além disso, ele tentou servir o clube.

Como alguns parecem que pretendem apenas desservir.

Botafogo venceu muito bem no retorno ao campo não pelo placar de 6 a 2 (talvez um exagero pela brava atuação do rival), mas pela intenção manifesta de protestar contra os absurdos e abusos.

Veja mais de Mauro Beting no Yahoo Esportes

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.