Mercado abrirá em 9 h 48 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,72
    +0,29 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.787,00
    +5,00 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    50.092,22
    -2.620,63 (-4,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.136,89
    -106,16 (-8,54%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    29.032,89
    +277,55 (+0,97%)
     
  • NIKKEI

    28.983,31
    -204,86 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    13.773,25
    +23,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5450
    +0,0034 (+0,05%)
     

Rio de Janeiro terá feriadão de dez dias para conter impacto da COVID-19

Nathan Vieira
·3 minuto de leitura

As tentativas para conter a transmissão de COVID-19 nos estados têm se intensificado nos últimos dias, e prova disso é que no Rio de Janeiro, o governo determinou um feriadão de dez dias: de sexta-feira (26) e até o domingo de Páscoa (4). A decisão aconteceu por meio de consenso durante reuniões realizadas no último sábado (20) e no último domingo (21). No entanto, ainda é necessária a aprovação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

De qualquer forma, a expectativa é que já está havendo apoio dos deputados e que a medida será aprovada. Já no que diz respeito a adoção de medidas mais restritas, não houve acordo entre a Prefeitura do Rio e o governo estadual, uma vez que os prefeitos do Rio e de Niterói, Eduardo Paes e Axel Grael, saíram contrariados da reunião com o governador Cláudio Castro no Palácio Laranjeiras.

Na última sexta-feira (19), Paes anunciou regras mais rígidas, mesmo que elas fugissem da concordância com Castro. A maior parte das medidas municipais, como o funcionamento de bares e restaurantes, se sobrepõem às normas do estado.

As regras planejadas pelo estado envolvem escolas públicas e particulares fechadas, manutenção da oferta de transportes públicos das 5h à meia-noite, de segunda a sábado, e das 7h às 23h aos domingos, para evitar aglomerações; fiscalização do uso de máscara e álcool em gel nas estações; proibição de fretamento de ônibus intermunicipais e interestaduais, exceto de transporte de trabalhadores.

Rio de Janeiro terá feriadão de dez dias para conter impacto da COVID-19 (Imagem: Arya Pratama / Unsplash)
Rio de Janeiro terá feriadão de dez dias para conter impacto da COVID-19 (Imagem: Arya Pratama / Unsplash)

Em relação a bares e restaurantes, a decisão envolve funcionamento com metade da capacidade; entrada de clientes até 21h; fechamento até 23h e fica proibido vender bebida alcoólica para clientes em pé; permitido servir em mesas de até quatro pessoas; drive-thru, delivery e take-away mantidos e proibição de consumo de bebidas alcoólicas em lojas de conveniência e bancas de revistas.

No comércio, shoppings e centros comerciais devem funcionar com 40% da capacidade, das 12h às 20h; lojas em geral podem abrir entre 8h e 17h e o setor de serviços pode atender das 12h às 20h. Além disso, feiras livres poderão funcionar a critério de cada município. Vale lembrar que praias permanecerão fechadas; clubes e parques também serão fechados.

Continua proibida a permanência em espaços públicos entre 23h e 5h; festas e eventos de qualquer natureza seguem probidos. Hotéis ficam abertos, com proibição das áreas de lazer (exceto academia).

Vale reparar que o Rio de Janeiro conta com 621.991 casos de COVID-19, com direito a 576.730 recuperados e 35.131 mortes. Com relação à vacina, o estado segue o PNI (Plano Nacional de Imunização): a primeira fase contempla cerca de 811.235 idosos acima de 75 anos; 545.197 trabalhadores da saúde; 339 indígenas; e 10.892 mil idosos em instituições de longa permanência (1.367.663 pessoas, ao todo). Na segunda fase, cerca de 2.181.861 idosos na faixa de 60 a 74 anos. Na terceira, cerca de 1.666.259 pessoas com comorbidades. Na quarta fase, 97.225 professores; 92.205 profissionais das forças de segurança pública e salvamento; 991 funcionários do sistema prisional e 48.708 privados de liberdade, segundo anúncio do próprio Governo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: