Mercado fechará em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    109.649,07
    +1.635,60 (+1,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.899,73
    +76,50 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,05
    +0,09 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.843,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    43.233,39
    +1.036,47 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.027,64
    +32,37 (+3,25%)
     
  • S&P500

    4.592,36
    +59,60 (+1,31%)
     
  • DOW JONES

    35.407,41
    +378,76 (+1,08%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.261,00
    +227,50 (+1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1038
    -0,0636 (-1,03%)
     

Rio fará projeto piloto para aumentar segurança dos estudantes no caminho de casa à escola

·1 min de leitura

RIO — Ruas e quarteirões próximos a duas escolas públicas de Realengo, na Zona Oeste do Rio, receberam uma série de intervenções para aumentar a segurança dos estudantes ao caminho do colégio. O programa chamado "A Caminho da Escola" é promovido pela prefeitura do Rio em parceria com o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil) e da FIA Foundation.

A primeira rua escolhida para receber o projeto piloto foi a Rua Capitão Teixeira, que dá acesso a duas escolas municipais: o Ciep Frei Veloso e a Escola Municipal Stella Guerra Duval. A região foi escolhida também pela quantidade de ocorrências de trânsitos ocorridos entre 2006 e 2010. Haverá uma reorganização do espaço da rua no entorno das escolas considerando um mapa de risco elaborado por alunos e dados da CET-Rio. Na Rua Capitão Teixeira serão feitas intervenções para induzir o comportamento seguro por parte de motoristas, ciclistas e pedestres.

As faixas veículos serão reduzidas para tentar estimular o respeito ao limite de velocidade de 30 km/h. Também serão implantadas sinalização horizontal e vertical para reforçar a prioridade dos ciclistas, que circulam em grande número na região. Serão criadas novas faixas de pedestres e alguns trechos de estacionamento serão usados para alargar as calçadas.

— Se o nosso sistema de transportes prioriza os usuários mais vulneráveis, como crianças, idosos e pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida, todos os outros usuários estarão mais seguros — diz Danielle Hoppe, Gerente de Mobilidade Ativa do ITDP

Em setembro, a CET-Rio e o ITDP ouviram professores e estudantes para mapear os principais desafios que há no trajeto casa-escola. Mais de 60% dos alunos fazem o caminho a pé, e precisam enfrentar carros em alta velocidade, além de veículos estacionados em calçadas, obstruindo a passagem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos