Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.302,63
    -184,28 (-0,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Rio de Janeiro deve arrecadar R$ 41 milhões em impostos com Rock In Rio

Rock in Rio: Setor de turismo vê com entusiasmo a volta do festival após três anos (Wagner Meier/Getty Images)
Rock in Rio: Setor de turismo vê com entusiasmo a volta do festival após três anos (Wagner Meier/Getty Images)
  • Imposto sobre Serviços é pago por quase toda atividade econômica;

  • Setor de turismo vê com entusiasmo a volta do festival após três anos;

  • Festival deve arrecadar também uma receita de R$ 819 milhões.

A cidade do Rio de Janeiro deverá receber cerca de R$ 41 milhões em Imposto sobre Serviços (ISS) por conta do festival Rock in Rio (RiR), que acontecerá no município entre os dias 2 e 11 de setembro no Parque Olímpico.

O ISS é um imposto que incide sobre os serviços prestados mediante a utilização de bens ou serviços públicos. É um imposto pago por quase toda atividade econômica a não ser nas ações de exportações, relações de emprego e negociação de títulos e ações e outros valores mobiliários.

Esse valor foi estimado pelo Rio Convention & Visitors Bureau (Rio CVB), que também calculou uma receita total de R$ 819 milhões para todo o evento. Os cálculos foram baseados no gasto médio per capita com as despesas de passagens, hospedagem, alimentação, compras pessoais e turismo.

A rede hoteleira da cidade prevê uma ocupação similar à dos anos anteriores, que viram um total de 100% dos leitos ao redor do festival ocupados pelos visitantes. Redes de hotéis mais distantes do evento também devem se beneficiar do fluxo de pessoas, uma vez que o Rock in Rio realiza o transporte em ônibus para o evento saindo de diversos pontos da cidade.

Outros empreendimentos turísticos também devem ver a receita aumentar, uma vez que muitos aproveitam a longa duração do RiR para realizar passeios na cidade nos dias que não vão ao festival.

“Nossa cidade tem uma vocação natural para grandes eventos e o Rock in Rio é prova disso. Depois de três anos, vamos receber centenas de milhares de turistas, querendo ver o maior festival de música do mundo. Um evento dessa magnitude e que carrega a nossa marca no próprio nome tem o enorme potencial de promover ainda mais o Rio, levantar a auto estima do carioca e girar a roda da economia com a geração milhares de empregos", afirma o secretário municipal de Turismo do Rio, Antônio Mariano.